Bastonária da Ordem dos Farmacêuticos

Mais serviços farmacêuticos: vantagens para todos

A dispensa de medicamentos para o VIH/sida nas farmácias comunitárias, até agora de uso exclusivo hospitalar, a que mais tarde poderá juntar-se a dispensa de medicamentos oncológicos, é para os farmacêuticos comunitários portugueses a prova de que o País e o Governo confiam nas suas capacidades e competências para prestarem um serviço diferenciado e que se espera possa vir a produzir ganhos para os doentes. Não obstante as competências dos profissionais farmacêuticos serem as mesmas na farmácia comunitária e na farmácia hospitalar, esta transferência pode originar ganhos, fundamentalmente, pela proximidade ao cidadão, que é proporcionada pela rede de farmácias.

O empenho destas unidades e de outros agentes na implementação desta medida, anunciada como prioridade ainda durante o período pré-eleitoral, constitui uma demonstração clara do compromisso dos farmacêuticos na execução de políticas que visam, por exemplo, ganhos significativos na adesão às terapêuticas, na segurança no uso dos medicamentos, na aproximação efetiva do sistema aos cidadãos. 

Ao longo dos anos, as farmácias têm sabido acompanhar as necessidades em saúde dos portugueses e demonstrar a mais-valia da sua intervenção em áreas onde os serviços públicos de saúde apresentam uma resposta mais deficitária ou distante. O leque de serviços farmacêuticos que vem sendo disponibilizado à população, em muitos casos de forma gratuita, responde a carências específicas dos doentes e do Serviço Nacional de saúde (SNS), disponibilizando-se, de forma complementar, cuidados assentes no rigor técnico-científico, que beneficiam da sua elevada qualidade e proximidade.

Em bom rigor, o sucesso de todos estes programas que as farmácias vêm desenvolvendo só é alcançado quando integrado num trabalho multidisciplinar que fomente a partilha de informação entre os diferentes profissionais de saúde que acompanham os cidadãos que precisam de cuidados. Do mesmo modo, os programas em causa só produzirão resultados se implementados em coordenação com as autoridades de saúde, evitando o desperdício ou a duplicação de recursos. Finalmente, e não menos importante, os passos que estão já a ser dados têm de ser executados no pleno respeito pelo direito ao anonimato ou reserva de identidade dos doentes.

Um estudo recente promovido pela Ordem dos Farmacêuticos estima que a intervenção dos farmacêuticos nas farmácias comunitárias gera uma poupança anual de cerca de 880 milhões de euros. Além do valor económico destas intervenções, foi também possível demonstrar que o leque de serviços disponibilizados por estes profissionais de saúde se traduz no aumento da qualidade de vida e longevidade da população.

Os dados apurados neste estudo indicam que farmacêuticos comunitários realizam mais de 120 milhões de atos por ano, atendendo cerca de 4,2 milhões de cidadãos e dedicando a esse trabalho 11 milhões de horas. Esta atividade contribuiu para uma redução do consumo anual de cuidados de saúde estimada em seis milhões de intervenções, como consultas não programadas, urgências e internamentos hospitalares.

Além das intervenções farmacêuticas junto dos doentes crónicos, em especial dos doentes hipertensos, diabéticos e asmáticos, ou com DPOC (doença pulmonar obstrutiva crónica), nomeadamente no âmbito da adesão à terapêutica, o estudo realça igualmente o valor social e económico do sector em situações como a febre, tosse, constipação, obstipação, diarreia, obesidade, contraceção de emergência, cessação tabágica, etc.

São muitas as áreas em que os farmacêuticos podem disponibilizar os seus conhecimentos e experiência em prol dos doentes e do sistema de saúde. O Governo sabe-o bem, tal são as vezes em que as estruturas representativas do setor o manifestam abertamente; os doentes também o sabem, fruto de um contato regular e da confiança que depositam nestes profissionais. O País merece que se avance nestas reformas, aprofundando as que já estão em marcha e delineando novos caminhos que façam chegar mais Saúde aos cidadãos, particularmente os doentes e os mais desprotegidos.

 

ler mais

RECENTES

ler mais