16 Mar, 2020

Linha de apoio ao médico continua frágil. Médica do INEM fez 350 tentativas, sem resposta

O presidente do Sindicato Independente dos Médicos garante também que mais de metade das chamadas feitas para a Linha Saúde 24 não são atendidas.

“Mais de metade das chamadas de Saúde 24 (S24) deixaram de ser atendidas e a Linha de Apoio ao Médico, que foi muito recentemente criada e que inclusivamente neste momento recruta estudantes para trabalharem, está sem capacidade de resposta”, denunciou esta tarde Roque da Cunha, revelando que há dois dias uma médica do INEM (Instituto Nacional de Emergência Médica) fez “mais de 350 tentativas”.

Em entrevista telefónica à Lusa, o presidente do Sindicato dos Médicos Independentes (SMI) defende que se generalize a feitura dos testes para confirmação do coronavírus a todos os hospitais do Serviço Nacional de Saúde, além do Instituto Ricardo Jorge e do Hospital de São João (Porto), e que esses testes passem a ser pedidos por médicos de Medicina Interna, Infecciologia e de Saúde Pública.

“O seu não cumprimento, no nosso ponto de vista, é uma violação dos deveres técnicos e deontológicos e é uma leviandade que roça quase a prática de um crime de ofensa à saúde pública”, avisa Roque da Cunha, considerando ser “fundamental” que não seja a linha Saúde 24 e a Linha de Apoio ao Médico a ter esse poder.

O presidente do Sindicato Independente dos Médicos considera que os testes para confirmação do coronavírus devem ser feitos em todos os hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS), porque, diz, “existe capacidade laboratorial para o fazer”.

“No meu Centro de Saúde, por exemplo, foi necessário [esperar] três dias para validar a análise de uma médica e mais de 24 horas para validar a necessidade de enfermeiros e médicos que são suspeitos gravemente dessa situação”, relatou, avisando que, por “cada hora que passa, aumenta o número de exposições dos seus contactos e do atraso das medidas epidemiológicos”.

SO/LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais