10 Nov, 2022

Isabel Luzeiro. “A maior dificuldade [na Neurologia] é a falta de recursos humanos”

Em entrevista, a presidente da Sociedade Portuguesa de Neurologia aborda o estado da Neurologia em Portugal e antecipa o Congresso Nacional da especialidade, que vai ter lugar em Aveiro, entre os dias 17 e 19 de novembro.

Quais são as suas expectativas para o Congresso Nacional de Neurologia de 2022?

O congresso deste ano vai abordar a interdisciplinaridade. Temos verificado que trabalhar de forma isolada gera um benefício inferior ao que conseguimos quando trabalhamos em equipa. Quando há troca de opiniões e de ideias verifica-se uma majoração da qualidade cientifica e do exercício da neurologia

Convidámos pessoas de várias áreas da Neurologia e de várias áreas da Medicina que se relacionam com a Neurologia, nomeadamente a Psiquiatria e a Infecciologia, entre outras.

Com o objetivo da interação com a Sociedade, vamos ter uma mesa sobre a integração do hospital na sociedade, a testemunha de uma cidadã, e o sono – mitos e realidade. Teremos uma sobre a memória (e não sobre as demências) – onde vamos tentar perceber se interessa reter tudo o que aprendemos e se o esquecimento pode ser um aliado da nossa memória.

Saliento também uma mesa redonda em que iremos discutir o SNS – a situação atual e o que é proposto mudar – e onde vamos ter presentes o Bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães e a ex-ministra da Saúde Maria de Belém Iremos informar-nos e tornarmo-nos mais conhecedores da relação com as aves.

Muitos mais são os temas como verão no congresso, todos de confirmado interesse.

Quantos participantes terá esta edição?

Serão cerca de 400. Temos também cerca de 292 trabalhos enviados na maioria pelos internos de neurologia, dos quais 59 comunicações orais e 234 eposters

Como é que avalia o estado da Neurologia em Portugal e de que forma olha para os desafios que a especialidade tem pela frente nos próximos anos?

A Neurologia portuguesa está bem. Estamos totalmente equiparados à Neurologia internacional. Temos, neste momento, projetos em múltiplas áreas de muita qualidade e premiados.

Qual é o desafio ou dificuldade que a Neurologia precisa de enfrentar nos próximos anos?

A maior dificuldade é a falta de recursos humanos.

Por exemplo, a área do sono está a ser assumida por outras especialidades porque a Neurologia não tem especialistas suficientes para abranger todas as áreas, a neuropatologia também esta carenciada. A reorganização é uma necessidade.

A todos os sócios, a Direção e outros órgãos da SPN apresentam os cumprimentos pela complementaridade e interdisciplinaridade neste triénio 2020-2022.

SO

Notícia Relacionada

Hospital da Feira acompanha 450 sobreviventes de AVC/ano e tendência é para aumentar

Print Friendly, PDF & Email
ler mais

RECENTES

Print Friendly, PDF & Email
ler mais