22 Jan, 2021

Hospitais privados em Lisboa também já estão no limite da capacidade

Alguns unidades privadas estão já no limite da capacidade mas ainda há margem para aumentar camas, de modo a acomodar também os doentes vindos do SNS.

Os hospitais privados garantem que, tal como acontece no SNS, estão também eles no limite da capacidade de internamento. A pressão é maior na região de Lisboa. No Hospital da Luz, por exemplo, o esforço Covid é já “20% superior à média dos hospitais” públicas da Região de Lisboa e Vale do Tejo, garante o diretor clínico, Rui Maio, em declarações ao Expresso.

A subida dos internamentos é galopante. O Hospital da Luz tem 70 camas para doentes Covid e já 52 ocupadas. 11 destes doentes estão internados nos Cuidados Intensivos (ocupando todas as camas disponíveis), sendo dois provenientes de hospitais públicos. “Estamos próximos da nossa capacidade extrema, mas os problemas são os mesmos do sector público: a necessidade de atender a cada vez mais doentes porque estamos dimensionados para uma realidade que não é a atual”, diz António Messias, diretor do serviço de medicina intensiva.

No entanto, o Hospital da Luz prevê alargar as camas em enfermaria (para 70) já na próximas semana, bem como abrir mais cinco nos cuidados intensivos.

Já o grupo CUF tinha esta quinta-feira 76 doentes covid em três dos seus hospitais (CUF Descobertas, CUF Tejo e CUF Porto), dos quais 30 provenientes do SNS. Quanto ao grupo Lusíadas, terá neste momento 25 internados com covid-19, cinco dos quais em unidades de Cuidados Intensivos.

Perante este cenário, em que as ARS conseguiram nesta fase uma colaboração mais alargada com a rede hospitalar privada, perde força a requisição civil, uma vez que os privados estão a receber doentes vindo do SNS. “Todos os recursos dos privados estão a ser usados. Se não há recursos, não se pode requisitar nada”, admitiu Luís Pisco, presidente da ARS de Lisboa e Vale do Tejo.

ler mais

RECENTES

ler mais