10 Dez, 2021

Governo reforça SNS com 745 milhões, administradores dizem que é para pagar dívida

Os administradores hospitalares sublinha, por isso, que o reforço previsto não se destina a “capitalizar as unidades de saúde ou dar margem para investimentos”.

O Governo anunciou um reforço de 745 milhões de euros para o SNS, mas os administradores hospitalares alertam que o montante será para pagar dívida vencida, agravada com a recuperação da atividade programada.

“Naturalmente que saudamos este reforço, mas não podemos deixar de dizer que este montante corresponde basicamente à dívida vencida do Serviço Nacional de Saúde”, disse à Lusa Xavier Barreto, da direção da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH).

Segundo avançou o Ministério da Saúde, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) vai ser reforçado com mais 745 milhões de euros, “tendo em vista a redução da dívida e o aumento da sua capacidade de resposta e de produção”.

Deste valor total, 630 milhões de euros destinam-se aos hospitais e 115 milhões às Administrações Regionais de Saúde (ARS), explicou o Ministério liderado por Marta Temido, ao recordar que, em agosto, já tinham sido destinados ao SNS mais 350 milhões de euros, elevando para mais de mil milhões de euros o reforço financeiro este ano.

“Este reforço surge num ano de grande esforço financeiro resultante da pandemia de covid-19, nomeadamente na recuperação da atividade assistencial – até outubro tinham sido realizadas quase 30 milhões de consultas médicas em cuidados de saúde primários e 590 mil cirurgias, os valores mais elevados de sempre, e mais de 10 milhões de consultas hospitalares -, no financiamento de testes de deteção da covid-19 ou no esforço adicional de vacinação”, referiu o Ministério em comunicado.

Para Xavier Barreto, uma vez que o montante destinado aos hospitais será para o pagamento de dívida vencida, o reforço previsto não se destina a “capitalizar as unidades de saúde ou dar margem para investimentos”.

“Se olharmos para os contratos dos hospitais, são assinados no início de cada ano e praticamente já assumem, à partida, que vão ter resultados operacionais negativos, que vão ter prejuízo”, que se repercute na dívida, referiu o administrador hospitalar.

Segundo disse, face a este desequilíbrio entre proveitos e custos, faria sentido disponibilizar aos hospitais os recursos que de facto necessitam no início de cada ano, “para não acumularem dívida e para terem mais margem [negocial] com fornecedores”.

“Este ano ainda foi mais grave, porque como os hospitais estão a trabalhar muito mais para recuperar atividade programada que ficou atrasada durante estes meses de covid-19 – em muitos casos estão a trabalhar 10% e 20% acima da produção habitual – tiveram mais consumos e acumularam mais dívida”, salientou Xavier Barreto.

LUSA

Print Friendly, PDF & Email
ler mais

RECENTES

Print Friendly, PDF & Email
ler mais