26 Set, 2022

FNAM dá prazo ao Governo para reunião e exige revogação de medida sobre não especialistas

Segundo a FNAM, numa reunião realizada em 27 de julho, o Governo acordou com os sindicatos representantes dos médicos iniciar um processo negocial.

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) dá duas semanas ao ministro da Saúde para receber esta estrutura e exigiu a revogação da possibilidade de médicos não especialistas exercerem funções de especialistas, segundo o presidente da organização sindical.

Noel Carrilho falava à agência Lusa no final da reunião do Conselho Nacional da FNAM, no sábado, que decidiu as próximas ações a tomar como resposta ao “total silêncio” do Ministério da Saúde sobre as negociações entre as duas partes.

“Não nos parece justificável, mais ainda depois do Senhor Primeiro-Ministro ter afirmado que a política se mantém e os compromissos se mantêm, que se venha a desenvolver algum atraso neste processo negocial”, disse.

E prosseguiu: “Já fizemos seguir o pedido de reunião ao senhor ministro [da Saúde, Manuel Pizarro] e solicitámos que essa reunião se desenvolva com a celeridade que deve e estabelecemos um limite para nas próximas duas semanas sermos convocados para essa reunião”.

Nesta reunião foi aprovada “uma moção com vários níveis de exigência”, entre os quais a FNAM destaca a revogação, “em nome da qualidade que se pretende para o Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, da medida que “permite a médicos não especialistas exercerem a função de médicos especialistas, substituindo-se a médicos de família”.

Noel Carrilho acredita que o encontro com o ministro da Saúde vai acontecer antes do fim daquele prazo, explicando: “Tivemos exemplos recentes do resultado da falta de diálogo. Apenas queremos chamar a atenção para algumas medidas serem resolvidas e levar a cabo um compromisso já estabelecido”.

Segundo a FNAM, numa reunião realizada em 27 de julho, o Governo acordou com os sindicatos representantes dos médicos iniciar um processo negocial sobre a nova grelha salarial, a revisão do acordo coletivo de trabalho, a implementação de um novo regime de trabalho e a valorização do trabalho em serviço de urgência.

Este protocolo negocial foi assinado em agosto, mas a mudança da equipa do Ministério da Saúde, agora liderada por Manuel Pizarro, a aprovação do novo Estatuto do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e a formalização de uma direção executiva para o SNS foram “acompanhadas por um total silêncio relativamente às negociações com os médicos”.

LUSA

Notícia relacionada

“Os MF não descem do Norte, porque, para um ordenado de 1700 euros, têm de pagar 900 de renda”

Print Friendly, PDF & Email
ler mais

RECENTES

Print Friendly, PDF & Email
ler mais