24 Jul, 2018

Especialistas sugerem medidas para reduzir exposição das crianças a químicos nos alimentos

A Academia Americana de Pediatria apresentou novas guidelines num artigo científico que incide sobre os danos que os químicos presentes nos alimentos podem causar às crianças.

O grupo de especialistas – que abrange mais de 67.000 pediatras -, juntamente com outros grupos especializados, começam por referir que o propósito do relatório é o de “rever e destacar questões emergentes de saúde infantil relacionadas com o uso de corantes, aromatizantes e produtos químicos adicionados deliberadamente durante o seu processamento”, assim como substâncias presentes em materiais que estão em contacto com os alimentos, incluindo “adesivos, corantes, revestimentos, papel e plástico”, entre outros.

Na origem deste relatório, está a crescente preocupação com os aditivos alimentares, manifestada em vários estudos que alertam para os seus efeitos adversos à saúde e para uma regulação inadequada por parte das entidades competentes, assim explicam os autores.

No artigo da Academia Americana de Pediatria, os especialistas explicam que “as crianças podem estar mais suscetíveis aos efeitos destes compostos” devido à sua exposição mais elevada em relação aos adultos, ao seu diferente sistema metabólico e pelo facto de alguns dos seus órgãos estarem ainda em desenvolvimento e vulneráveis a determinadas perturbações.

Neste sentido, os autores enumeram um conjunto de recomendações para reduzir a exposição aos agentes químicos nos alimentos:

– Dar prioridade ao consumo de frutas e vegetais frescos ou congelados sempre que possível;

– Evitar carnes processadas, especialmente durante a gravidez;

– Evitar alimentos ou bebidas no micro-ondas, incluindo fórmulas infantis e leite materno bombeado, em recipientes de plástico;

– Não colocar recipientes de comida de plástico na máquina de lavar a loiça;

– Usar alternativas ao plástico, como o vidro ou aço inoxidável;

– Verificar o código de reciclagem na parte inferior dos produtos para descobrir o tipo de plástico, e evite os que têm os códigos 3, 6 e 7, que podem conter ftalato, estireno e bisfenol, respetivamente, a menos que estejam rotulados como “biológicos”.

– Lavar as mãos antes de tocar nos alimentos e nas bebidas e lavar as frutas e verduras que não são descascadas.

Saúde Online

 

ler mais

RECENTES

ler mais