24 Abr, 2020

Casos de sarampo registados este ano são isolados e importados do Brasil

Os sete casos de sarampo registados nos dois primeiros meses deste ano em Portugal são na sua maioria isolados e importados do Brasil, diz a coordenadora do Programa Nacional da Vacinação.

Segundo Teresa Fernandes, os sete casos registados nos meses de janeiro e fevereiro “não levantam preocupações”, estão a ser investigados e “apenas há a hipótese de uma ligação entre dois” deles.

“Isto só significa que o risco no resto do mundo é maior e que os países que têm melhores relações com Portugal, de onde recebemos mais pessoas e para onde viajamos mais, têm surtos de sarampo”, afirmou.

Apesar de reconhecer que o confinamento imposto pela covid-19 faz com que as pessoas estejam mais protegidas, pois estão em casa, a responsável alerta que os pais não podem atrasar a primeira vacinação, até aos 12 meses de idade, em que as vacinas previstas no PNV conferem proteção contra mais de uma dezena de doenças.

Após o mês de fevereiro não foram registados mais casos de sarampo em Portugal, que em 2019 teve um total de 10 casos, segundo o último relatório do Centro Europeu de Prevenção e Controlo e Doenças (ECDC).

Teresa Fernandes avisou que os pais devem tentar marcar previamente a ida ao centro de saúde para a vacinação, evitando aglomerados de pessoas nas salas de espera.

“Apesar dos espaços nos centros de saúde estarem separados, o melhor é marcar porque convém evitar aglomerados nas salas de espera. Quando não é possível marcar, por telefone ou email, (…) os pais devem ir e com toda a certeza terão uma solução”, afirmou.

A responsável insistiu que até ao primeiro ano de vida, as vacinas são prioritárias, assim como nos grupos de risco.

“Em algumas idades pode haver atrasos, como aos cinco anos, a pessoa tem durante o ano todo dos cinco anos para se vacinar, não é preciso ir agora. Mas nestes casos da primeira vacinação não se pode facilitar”, acrescentou.

A coordenadora do PNV lembrou ainda o caso das grávidas, sublinhando que também não devem adiar a vacinação além das 28 a 32 semanas de gestação, para protegerem os seus bebés contra a tosse convulsa.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) já tinha alertado no final março para a importância de cumprir o PNV, lembrando que as vacinas previstas para o primeiro ano de vida conferem proteção contra 11 doenças potencialmente graves.

Numa nota publicada na altura no seu ‘site’, e perante a necessidade de adotar medidas de caráter excecional e temporário para prevenção da transmissão da infeção por covid-19, a DGS define como prioritária a vacinação recomendada no primeiro ano de vida e sublinha que, “aos 12 meses, as vacinas contra o meningococo C e contra o sarampo, papeira e rubéola são muito importantes”.

“A situação epidemiológica do sarampo a nível mundial não permite adiar”, alertava a DGS, recomendando a vacinação “o mais breve possível” às crianças que têm estas vacinas em atraso.

SO/LUSA

 

[box] Notícias Relacionadas:

Prof. Luís Varandas: “Se não vacinarmos, as doenças infecciosas vão reemergir”

“Os serviços de saúde estão organizados para garantirem uma separação entre os doentes Covid e os não-Covid. O risco é muito baixo e os benefícios da vacinação são muito altos”, diz o Prof. Luís Varandas, pediatra e membro da Comissão de Vacinas da SPP.

Vacinação está em queda. Risco de um surto de sarampo é real

Portugal já regista tantos casos como em quase todo o ano passado e na Europa o surto começa a formar-se. Médico Rui Nogueira reforça que existem circuitos separados nos centros de saúde.

[/box]
ler mais
target="_blank"

RECENTES

target="_blank"
ler mais