Cancro do Rim, o tumor silencioso que atinge 1300 portugueses a cada ano

Maioria dos tumores não gera sintomas, o que dificulta o diagnóstico numa fase precoce, sublinha o Dr. André Mansinho, oncologista do Hospital de Santa Maria.

Qual a prevalência de cancro do rim em Portugal?

Em Portugal, temos cerca de 1300 novos casos por ano.

Quais os grupos e faixas etárias mais afetados?

É uma neoplasia rara nos adolescentes ou crianças. Geralmente, a incidência aumenta depois dos 40 anos e mais de 75% dos casos são diagnosticados depois dos 60 anos. Tipicamente, a faixa etária mais afetada está entre os 50-70 anos.

Regra geral, os tumores do rim são assintomáticos. Isto dificulta o diagnóstico numa fase inicial?

Sim, sem dúvida, o facto de muitas vezes poder atingir grandes dimensões até dar sintomas, faz com que seja difícil o diagnóstico inicial. Também não existem exames de rastreio para a neoplasia do rim. Muitas vezes, o diagnóstico é feito incidentalmente, através de exames de meios complementares de diagnósticos pedidos por outra situação.

Em fases mais avançadas da doença, quais os sintomas mais comuns?

As queixas mais comuns relacionadas com o crescimento do tumor do rim são a dor lombar e a hematúria (sangue na urina). Na doença avançada, quando já existe disseminação para outros órgãos, as queixas dependem do órgão que foi atingido. Normalmente, a perda de peso, a astenia e o cansaço, bem como anorexia e, por vezes, a febre, estão também relacionadas com doença avançada.

Quais os principais fatores de risco para este tipo de cancro? Como se previne?

Existem múltiplos fatores de risco para a neoplasia do rim. Contudo, os principais fatores modificáveis são o tabagismo, a obesidade e a hipertensão. A doença renal crónica avançada também parece ser um fator de risco, bem como a exposição ocupacional a algumas substâncias (tricloroetileno, benzeno, cádmio, etc.). Existem também outros fatores não modificáveis: sabemos que esta doença é mais prevalente nos homens e na raça negra, bem como nas pessoas com história familiar de cancro ou algumas síndromes genéticas hereditárias. A prevenção passa, essencialmente, por evitar os fatores modificáveis: evicção tabágica, perda de peso, controlo da hipertensão, evicção de substâncias potencialmente nocivas.

Que percentagem dos casos de cancro do rim acabam por metastizar?

Cerca de um terço são já metastáticos ao diagnóstico. Os restantes são operados com intenção curativa e, desses, 30% acaba por metastizar/recidivar no futuro.

Que percentagem dos casos são candidatos a cirurgia?

Cerca de dois terços dos casos ao diagnóstico são candidatos a cirurgia.

TC/SO

ler mais

RECENTES

ler mais