[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Post Title” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” […]

As doenças crónicas e debilitantes: a importância da investigação

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Post Title” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” comments=”off” featured_image=”off” featured_placement=”above” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”center” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” title_all_caps=”off” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_css_post_image=”float: left;|| width: 180px;|| height:190px;|| object-fit: cover;|| margin-top: 30px;|| margin-right: 30px;|| margin-bottom: 10px;|| margin-left: 0;|| max-width: 180px;|| border: 3px solid #999999;|| border-radius: 150px;|| -webkit-filter: grayscale(100%);|| filter: grayscale(100%);” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)”] [/et_pb_post_title][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on” custom_css_main_1=”position: relative;||”][et_pb_column type=”1_4″][et_pb_team_member admin_label=”Person” name=”Herlander Marques” position=” Médico Oncologista e e investigador do Centro Clínico Académico de Braga e Cintesis” image_url=”https://saudeonline.pt/wp-content/uploads/2019/06/Dr.-Herlander_Marques.jpg” animation=”off” background_layout=”light” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” module_class=”ds-thumbnail-blog-red” header_font=”|on|||” header_font_size=”16″] [/et_pb_team_member][/et_pb_column][et_pb_column type=”3_4″][et_pb_text admin_label=”Text” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

Atualmente, vivemos num mundo onde predominam os hábitos menos saudáveis. Apesar dos vários incentivos feitos para tentar incutir um estilo de vida mais saudável, a verdade é que a obesidade, o tabagismo, o alcoolismo e uma constante exposição à poluição atmosférica, continuam a uma das causas de doenças crónicas ou debilitantes na população portuguesa, como por exemplo as doenças cardiovasculares (a doença vascular cerebral e a doença coronária), a diabetes mellitus tipo 2, as doenças degenerativas osteoarticulares e a doença pulmonar obstrutiva crónica.

Segundo a legislação portuguesa, uma doença crónica define-se como uma doença de curso prolongado, com evolução gradual dos sintomas. Esta é potencialmente incapacitante e pode afetar a função psicológica, fisiológica ou anatómica do doente. Estas doenças podem ter repercussões acentuadas na vida social e, apesar de não terem cura, têm possibilidade de serem controladas podendo o doente manter uma boa qualidade de vida. As doenças debilitantes podem afetar os pacientes de várias formas, designadamente na parte motora e cognitiva. O seu tratamento constitui um enorme desafio social e médico e nem sempre as respostas que existem são realmente eficazes ou contribuem para uma melhoria da qualidade de vida dos doentes.

Além dos hábitos e estilos de vida, a história familiar e o envelhecimento da população são fatores importantes a considerar. Fatores genéticos (hereditários) podem ser uma das explicações para o aparecimento de alguns cancros ou doenças debilitantes. O envelhecimento da população, por seu lado, está associado ao risco de doenças crónicas que têm aumentado de forma exponencial nas últimas décadas. O impacto e a importância destas doenças têm-se tornado alarmantes, fundamentalmente devido à previsão da OMS para as próximas décadas, de que a população com mais de 60 anos passará dos atuais 841 milhões para 2 biliões até 2050. Assim, as doenças crónicas e/ou debilitantes e o bem-estar da terceira idade serão os novos desafios da saúde pública global.

Apesar dos progressos que têm sido feitos nos últimos anos, há ainda muitas doenças crónicas e debilitantes para as quais ainda não há tratamento disponível. Os tratamentos existentes tornam-se ainda mais difíceis de administrar em idosos, pois a sua condição mais debilitada já não permite alguns tipos de medicação. No caso dos cancros, os idosos não suportam níveis tão altos de quimioterapia e as células malignas apresentam maior resistência aos tratamentos e alterações genéticas de pior prognóstico. Para além disso, um idoso pode apresentar disfunções orgânicas, como a insuficiência cardíaca, renal ou hepática, que impedem a utilização de determinadas famílias de fármacos eficazes ou obrigam a uma redução significativa da dose aplicada.

A investigação contínua nestas áreas torna-se, assim, cada vez mais importante, seja na procura de tratamentos, como em meios que facilitem e antecipem o diagnóstico destas doenças. Neste contexto, será bem-vindo qualquer estímulo para a investigação de soluções clínicas e não clínicas, que contribua para tornar os doentes mais autónomos do ponto de vista da gestão da doença. A melhoria do acesso aos cuidados de saúde e a inovação nos tratamentos existentes poderão contribuir para melhorar a qualidade de vida dos doentes com patologias crónicas, em especial os mais idosos.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]
ler mais

RECENTES

ler mais