2 Mar, 2020

Apneia do sono: tratamento com CPAP melhora qualidade de vida

Os tratamentos respiratórios domiciliários são essenciais para um grupo significativo de doentes com DPOC ou apneia do sono. Em Portugal, a Linde trata em casa mais de 70 mil pessoas, avança João Tiago Pereira.

Existem indicadores sobre o impacto das terapias respiratórias domiciliárias na melhoria da qualidade de vida dos doentes?

Pode ser avaliado de diversas perspectivas, mas, por exemplo, no caso da apneia do sono que pode condicionar alterações de humor e depressão em doentes não tratados, existem vários estudos que se debruçaram na análise da qualidade de vida através de indicadores específicos e por exemplo, um estudo publicado em 2012 no Sleep and Breathing Journal1 com 50 doentes avaliou a qualidade de vida antes e depois de iniciar a terapia CPAP para a apneia do sono, através de um questionário específico – SAQLI – verificaram que, numa escala de 7 pontos, a qualidade de vida aumentou de 3.8 ± 0.9 para 5.8 ± 0.8 (p< 0.01), sendo esta diferença estatisticamente significativa, sugerindo um impacto importante na qualidade de vida destes doentes. Este impacto é mais relevante em doentes mais graves e com maior adesão terapêutica.2 Mas não é só estes doentes que tendem a melhorar. Por exemplo, nos doentes que dormem acompanhados, a qualidade de vida também pode melhorar nos parceiros porque o impacto do ressonar, do sono agitado, entre outros, tende a normalizar com a terapia CPAP.

No caso, por exemplo da oxigenoterapia, os doentes normalmente são muito sintomáticos e o início da terapia domiciliária tem associada uma melhoria na qualidade de vida. Estes doentes tem frequentemente dispneia, que condiciona uma menor mobilidade, muitas vezes confinando-os em suas casas, com menores índices de socialização e frequentemente depressivos. A oxigenoterapia, embora seja uma terapia com muitos anos, está sempre a evoluir e, por exemplo, nos últimos anos tem surgido dispositivos médicos de deambulação e transportáveis que permitem a deslocação ao mesmo tempo que realiza o seu tratamento. Esta inovação derrubou barreiras para estes doentes, sendo muito positivo para eles e para os seus cuidadores.

Quais as vantagens das terapias respiratórias domiciliárias?

As terapias respiratórias domiciliárias são intervenções diferenciadas e multidisciplinares que fazem a diferença para algumas centenas de milhares de doentes respiratórios em Portugal, como, por exemplo, na doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) e na apneia do sono. Ainda mais importante do que a eficácia terapêutica associada a estas terapias é a sua capacidade de manter os doentes em suas casas a fazer estes tratamentos, através de prescrição médica, evitando o seu internamento hospitalar ou em lares e casas de repouso.

O objectivo passa por rapidamente capacitar o doente para a terapia e para a sua doença, transmitido confiança através da experiência acumulada e pelo conhecimento do equipa domiciliária. Estas equipas de acompanhamento domiciliário são multidisciplinares (técnicos de apoio domiciliário, cardiopneumologistas, enfermeiros e fisioterapeutas) e incluem visitas periódicas de acompanhamento para realizar avaliações, garantir que o equipamento está de acordo com a prescrição médica e a funcionar adequadamente. Estes serviços personalizados são críticos para garantir a adesão aos tratamentos respiratórios prescritos pelo médico.

Que doentes são elegíveis para receberem este tipo de terapias domiciliárias?

Em todos os serviços é necessário haver um indicação expressa do médico através da prescrição médica. Essa avaliação normalmente inclui exames de diagnóstico, como por exemplo a espirometria, a gasimetria arterial, a pletismografia, a polissonografia, entre outros. Importa também referir que, embora estejam indicadas, sobretudo, na DPOC e na apneia do sono, nem todos os doentes com diagnóstico de DPOC e/ou apneia do sono, poderão necessitar destes serviços domiciliários. Depende sempre da avaliação clínica e da gravidade da doença.

Que serviços presta a Linde Saúde neste campo?

A maior parte dos nossos serviços são focados na patologia respiratória, nomeadamente a oxigenoterapia, ventiloterapia (inclui a terapia para a apneia do sono), a mobilização de secreções brônquicas e a aerossolterapia. O nosso enfoque na personalização de serviços, na avaliação dos resultados e proximidade com o doente levou-nos a criar novos serviços, como a telemonitorização destas terapias, nomeadamente a ventiloterapia. Nos últimos anos somos líderes em Portugal na telemonitorização de doenças crónicas, como a DPOC e a insuficiência cardíaca, consistindo em programas de monitorização diária de sinais vitais e na identificação de sinais e sintomas característicos de descompensação destas doenças, permitindo uma atuação atempada das equipas clínicas hospitalares.

Quantos doentes apoia atualmente a Linde, em visitas domiciliárias, e quantos profissionais estão alocados a estes serviços?

Em Portugal prestamos cuidados a cerca de 70.000 doentes e contamos com mais de 200 colaboradores em todo o país.

 

  1. Avlonitou, E., Kapsimalis, F., Varouchakis, G. et al. Adherence to CPAP therapy improves quality of life and reduces symptoms among obstructive sleep apnea syndrome patients. Sleep Breath 16, 563–569 (2012).
  2. Batool‐Anwar, S., Goodwin, J.L., Kushida, C.A., Walsh, J.A., Simon, R.D., Nichols, D.A. and Quan, S.F. Impact of continuous positive airway pressure (CPAP) on quality of life in patients with obstructive sleep apnea (OSA). J Sleep Res, 25: 731-738 (2016)
  3. Parish JM, Lyng PJ. Quality of life in bed partners of patients with obstructive sleep apnea or hypopnea after treatment with continuous positive airway pressure. Chest. 2003 Sep;124(3):942-7.
  4. Eaton T, Lewis C, Young P, Kennedy Y, Garrett JE, Kolbe J. Long-term oxygen therapy improves health-related quality of life. Respir Med. 2004 Apr;98(4):285-93.

 TC/SO

ler mais

RECENTES

ler mais