3 Abr, 2020

Vendas nas farmácias caem a pique após três semanas de fortes subidas

As vendas nas farmácias portuguesas caíram 35% na semana passada face à semana anterior, indicando uma normalização do abastecimento.

“Em relação à semana anterior (12.ª semana do ano), as vendas diminuem 34,6%, representando um possível efeito de normalização do abastecimento face ao comportamento verificado nas semanas anteriores”, revelou a Health Market Research (HMR) Portugal no “Market Watch Portugal Especial covid-19”.

Relativamente ao período homólogo do ano passado, as vendas na semana de 23 a 29 de março recuaram 3,4%. Isto, depois de três semanas de crescimentos acentuados face às mesmas semanas de 2019: 18,6% na primeira semana de março, 74,3% na segunda e 54,3% na terceira.

“A semana 11 de 2020 [entre 09 e 15 de março] provavelmente representa um abastecimento reforçado de medicamentos por parte da população e um comportamento excecional”, sublinhou a HMR, assinalando que o estado de emergência em Portugal devido à pandemia de covid-19 foi anunciado a 18 de março e implementado a 22 de março.

E destacou: “O pico de vendas na semana 11 de 2020 parece indicar uma provável antecipação do abastecimento de medicamentos por parte dos utentes, face à tomada de medidas que ocorreu no final da semana 12”.

Segundo a consultora, o volume de ‘sell out’ (vendas totais) na 13.ª semana do ano é de 2,9 milhões de unidades inferior ao da semana anterior, uma quebra de 36%, pois “muito provavelmente na 12.ª semana do ano já houve uma tendência de normalização do abastecimento por parte dos utentes”.

Também é salientada a forte diminuição (-30%) na venda de anti-inflamatórios, como o ibuprofeno, desde a semana 11 de 2020, tal como a descida drástica no volume de vendas de produtos ‘consumer healthcare’ (produtos de bem-estar, higiene oral, nutrição e saúde dermatológica) na 13.ª semana do ano (23 a 29 de março).

SO/LUSA

 

[box]

Notícias Relacionadas:

Farmácias pedem ajuda ao Governo para repor abastecimento de produtos

Perante a crise provocada pelo Covid-19, a Associação Nacional das Farmácias pede a intervenção do Governo para repor o produtos de saúde de primeira necessidade.

 Farmácias permitem que doentes crónicos aviem medicamentos sem receita

Açambarcamento vai ser proibido. Por outro lado, doentes crónicos vão poder aviar os seus medicamentos por três meses, sem receita médica.

 Farmácias quase sem equipamentos de proteção, algumas podem fechar

Aviso é da bastonária da Ordem dos Farmacêuticos, que avisa que, se não forem contempladas com máscaras, algumas terão de fechar.

 Farmácias: “Onde não há postigo, não se zanguem, nem tratem mal os profissionais”

A bastonária da Ordem dos Farmacêuticos apelou ao cumprimento das regras de segurança criadas para as farmácias.

[/box]
ler mais

RECENTES

ler mais