12 Ago, 2022

Porto Comprehensive Cancer Center inclui nome de investigadora Raquel Seruca

O atribuição do nome da investigadora que faleceu recentemente é uma homenagem a "uma mulher e cientista excecional", afirma o presidente do CA do IPO Porto.

O Instituto Português de Oncologia do Porto e o Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S) anunciaram que o Porto Comprehensive Cancer Center (P.CCC) passará a incluir o nome da investigadora Raquel Seruca.

As direções das duas instituições decidiram alterar o nome do consórcio para Porto Comprehensive Cancer Center Raquel Seruca, como “reconhecimento do empenho e dedicação” que a investigadora teve no desenvolvimento do projeto.

Este projeto, pioneiro em Portugal, pretende encurtar e aperfeiçoar o ciclo de descoberta científica em doenças neoplásicas e preneoplásicas, através do reforço da investigação de translação.

“Graças à Raquel, alma e corpo da iniciativa, testemunharemos o sucesso do P.CCC centrado nas pessoas com organização e competência”, sublinha, em comunicado, o diretor do Instituto de Patologia e Imunologia da Universidade do Porto (Ipatimup), Sobrinho Simões, que integra o i3S.

A investigadora, que coordenou a elaboração da candidatura do projeto “TeamUp4Cancer” aos fundos do Norte2020, tendo conquistado um financiamento superior a 15 milhões de euros para melhorar o diagnóstico e tratamento de doentes com cancro, morreu recentemente vítima de doença oncológica.

Para o diretor do i3S, Claudio Sunkel, o trabalho desenvolvido por Raquel Seruca “tornou possível a aquisição e implementação de novos equipamentos e infraestruturas, assim como a contratação de recursos humanos especializados que permitirão fazer investigação de ponta em cancro com a preocupação de conhecer melhor os mecanismos moleculares de cada tumor e transferir esse conhecimento para novas ferramentas de rastreio, diagnóstico precoce e tratamento de cancro”.

Este processo “permitirá desenvolver uma estratégia inovadora de acompanhamento e tratamento personalizado dos doentes“, acrescenta.

Segundo o presidente do Conselho de Administração do IPO Porto, Rui Henrique, “a Raquel depositava uma enorme esperança no P.CCC como iniciativa de mudança da forma de fazer Ciência. Ela funcionou como o elemento catalisador das vontades das duas instituições em unirem esforços para conseguirem chegar mais próximo do que realmente necessitam os doentes com cancro”.

“Ao juntar à designação do P.CCC o nome da Raquel, estamos, não apenas, a realizar homenagem a uma mulher e cientista excecional, mas também a assumir um compromisso coletivo, pessoal e institucional, de que trabalharemos para concretizar o seu sonho e a sua visão”, acrescentou.

Na altura em que foi anunciado o financiamento para o P.CCC, Raquel Seruca sublinhava que “pela primeira vez em Portugal vai poder-se cumprir todo o ciclo que vai desde a identificação dos mecanismos alterados nas células tumorais até aos ensaios clínicos, baseados no conhecimento profundo dos processos moleculares e celulares subjacentes à doença. O P.CCC é uma infraestrutura que prioritiza as necessidades dos doentes”.

Os recursos estarão alocados estrategicamente em plataformas especializadas no IPO Porto e no i3S.

Para o efeito, foram já adquiridos pelo i3S equipamentos que permitirão isolar e caracterizar o perfil molecular de células tumorais individuais, e identificar biomarcadores para vigilância dos doentes e famílias em risco.

Especificamente, os novos equipamentos permitem uma análise detalhada de tecidos e biópsias líquidas de pacientes e a avaliação funcional de moléculas em modelos experimentais in vitro e in vivo.

Uma grande parte do investimento foi direcionado para a implementação de novas tecnologias de imagiologia, criando “uma oportunidade única para avançar em estudos pré-clínicos”, sublinham os responsáveis do IPO/Porto e do I3S.

LUSA

 

Notícia relacionada

Morreu investigadora da área do cancro Raquel Seruca

Print Friendly, PDF & Email
ler mais

RECENTES

Print Friendly, PDF & Email
ler mais