18 Set, 2020

Covid-19. Sanofi e GSK abastecem União Europeia com 300 milhões de doses da vacinas

A vacina candidata tem por base a tecnologia de proteína recombinante da Sanofi associada ao sistema adjuvante pandémico da GSK.

A Sanofi e a GSK finalizaram e assinaram hoje um acordo de compra antecipado com a Comissão Europeia (CE) para o abastecimento de até 300 milhões de doses da vacina COVID-19, que estão a desenvolver em conjunto, logo que aprovada.

A vacina candidata tem por base a tecnologia de proteína recombinante atualmente usada pela Sanofi para produzir uma das suas vacinas contra a gripe e a tecnologia adjuvante da GSK. Este acordo final confirma a comunicação efetuada a 31 de julho por ambas as empresas e representa um marco importante na proteção das populações europeias contra a COVID-19.

O contrato permitirá a compra da vacina por todos os estados membros da União Europeia (UE), assim como a redistribuição e a doação para países com baixo e médio rendimento. A UE disponibilizará financiamento inicial para apoiar a expansão da capacidade de produção da Sanofi e da GSK na Europa. O antigénio e as doses finais da vacina serão produzidos na Europa nos centros industriais das duas empresas localizados na Bélgica, Itália, Alemanha e França.

“A GSK tem o compromisso, em conjunto com a Sanofi, de fabricar esta vacina na Europa e de a disponibilizar nos países europeus. Ambas as companhias contam com uma importante capacidade de I&D e de produção na Europa, para dar resposta ao acordo hoje assinado. Na GSK Portugal estamos muito orgulhosos desta conquista, que está totalmente alinhada com a nossa missão de ajudar as pessoas a fazerem mais, sentirem-se melhor e viverem mais tempo”, afirma Roxana Precu, Diretora-Geral da GSK Portugal.

“Como companhia temos o compromisso de contribuir para o controle da pandemia da COVID-19 e a assinatura deste acordo é um marco muito importante nós, em Portugal e na Europa. Acreditamos que unindo esforços podemos avançar mais rapidamente para disponibilizar uma vacina que seja acessível para o maior número de pessoas possível e que possa ser produzida em escala a nível mundial. Mas acima de tudo, a  segurança e a eficácia são a nossa prioridade ao disponibilizar toda e qualquer vacina – pelo que assim que seja testada e comprovada, temos uma grande confiança que esta vacina possa desempenhar um papel fundamental na luta global contra esta pandemia e na proteção da população”, diz-nos Helena Freitas, General Manager da Sanofi Pasteur em Portugal.

A Sanofi anunciou a 3 de setembro o início dos ensaios clínicos de fase 1 e 2 e a previsão de iniciar os estudos de fase 3 no final de 2020; se tudo correr como previsto a aprovação regulamentar poderia ser pedida no primeiro semestre de 2021. Graças em parte ao acordo assinado hoje, a Sanofi e a GSK poderão expandir a sua capacidade de produção de antigénio e adjuvante para produzir até mil milhões de doses por ano, contribuindo assim para a elevada e urgente procura de vacinas contra COVID-19 a nível mundial.

A Sanofi e a GSK trabalham em todo o mundo na luta contra a COVID-19

Entretanto, a Sanofi e a GSK também assinaram recentemente acordos com os Estados Unidos, país com o qual mantém uma colaboração contínua e desde há muitos anos com a Autoridade de Desenvolvimento e Investigação Avançadas em Biomédica (BARDA), e também com o governo do Reino Unido. Adicionalmente, ambas as empresas planeiam fornecer uma parte significativa da sua capacidade total de abastecimento mundial à iniciativa global “Acelerador do acesso a ferramentas contra COVID-19”, um projeto em que líderes de governos, organizações de saúde globais, empresas e organizações filantrópicas estão envolvidos para acelerar o desenvolvimento, a produção e o acesso equitativo aos testes, tratamentos e vacinas para fazer face à COVID-19.

COMUNICADO

ler mais

RECENTES

ler mais