16 Mar, 2020

Covid-19: Ordem dos Médicos Dentistas recomenda fecho de clínicas e consultórios

Ordem recomenda encerramento de clínicas e consultórios ou adiamento das consultas programadas que não sejam urgentes e por tempo indeterminado.

“Ainda que legalmente não tenha poderes para o fazer, a recomendação da OMD surge na sequência do estado de alerta em que Portugal vive por causa da pandemia do Covid-19”, destaca a Ordem numa nota enviada à agência Lusa.

A OMD salienta que “os médicos dentistas estão especialmente expostos a eventuais contágios nas consultas e a OMD criou um grupo de trabalho de acompanhamento da situação que funciona desde o início do mês para divulgar informação e recomendações aos médicos dentistas”.

O bastonário da OMD, Orlando Monteiro da Silva, explica na nota que a situação em que se está a viver é “absolutamente inédita”.

Legalmente a Ordem não pode decretar o fecho da clínicas e consultórios, pelo que face à evolução da pandemia, o que podemos fazer é recomendar aos médicos dentistas que atendam apenas urgências. Já reunimos com a ministra da Saúde e alertámos para a situação crítica dos médicos dentistas e seus pacientes””, frisa.

A Ordem denunciou ainda à ministra da Saúde, Marta Temido, a falta de equipamento de proteção individual, nomeadamente máscaras adequadas.

“O Ministério irá garantir, através do Infarmed, o fornecimento de máscaras cirúrgicas adequadas para os médicos dentistas tratarem doentes com o Covid-19 ou em quarentena. Subsiste ainda, como resulta de um inquérito feito pela Ordem, a ausência no mercado de material de proteção para atendimento de situações de urgência e que é prioritário resolver”, alertou.

Orlando Monteiro da Silva considera “que é importante que o governo tome todas as medidas necessárias para proteger os profissionais e garantir que os apoios sociais chegam a todos independentemente do seu vínculo laboral.”

Dados da OMD indicam que há cerca de 10 mil médicos dentistas a exercer em Portugal, para além de higienistas e assistentes dentários, bem como protésicos.

No total, entre 25 a 30 mil pessoas podem ser diretamente afetadas por esta situação.

Na nota, a OMD adianta também estar a trabalhar em permanência com o governo, a Direção-Geral da Saúde, o Infarmed, os Serviços Partilhados, as Ordens e todos os reguladores envolvidos fazendo notar a necessidade de apoiar os médicos dentistas.

“A OMD apela a todos os médicos dentistas que cumpram escrupulosamente as recomendações e medidas difundidas pelo governo, pelas autoridades de saúde e pela própria Ordem”, é ainda referido na nota.

SO/LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais