[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Post Title” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” […]

Que futuro para os especialistas de MGF?

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Post Title” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” comments=”off” featured_image=”off” featured_placement=”above” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”center” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” title_all_caps=”off” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_css_post_image=”float: left;|| width: 180px;|| height:190px;|| object-fit: cover;|| margin-top: 30px;|| margin-right: 30px;|| margin-bottom: 10px;|| margin-left: 0;|| max-width: 180px;|| border: 3px solid #999999;|| border-radius: 150px;|| -webkit-filter: grayscale(100%);|| filter: grayscale(100%);” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)”] [/et_pb_post_title][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on” custom_css_main_1=”position: relative;||”][et_pb_column type=”1_4″][et_pb_team_member admin_label=”Person” name=”Rui Silva Oliveira” position=”Interno de formação especifica de MGF 4º ano” image_url=”https://saudeonline.pt/wp-content/uploads/2019/10/Rui-Silva-Oliveira.jpg” animation=”off” background_layout=”light” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” module_class=”ds-thumbnail-blog-red” header_font=”|on|||” header_font_size=”16″] [/et_pb_team_member][/et_pb_column][et_pb_column type=”3_4″][et_pb_text admin_label=”Text” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

O percurso de um especialista em Medicina Geral e Familiar é, como o de outra especialidade, muito trabalhoso. Desde o término da faculdade até finalizar a especialidade são 5 anos dos quais 4 são de internato de formação específica. Estes são anos de muito sacrifício e que cada vez mais culminam numa colocação em zonas muito pouco desejadas e por vezes abandonadas. Será pois importante refletir sobre esta temática. Numa especialidade que tanto zela pelas relações familiares, será que não estaremos a esquecer a nossa própria família, o nosso futuro e o futuro de populações sem médico de família? Analisemos a situação de uma forma racional: Qualquer pessoa, terminando o seu curso superior e consequentemente entrando no mercado de trabalho pensará na constituição de uma família. Ora, com a grande maioria dos médicos verifica-se exatamente a mesma coisa. Terminando a sua licenciatura (atualmente mestrado integrado) e iniciando a sua vida profissional, muito provavelmente seguir-se-á uma fase da vida na qual muitos constituem a sua família. Tendo em conta o panorama de vagas dos últimos anos para colocação de especialistas de Medicina Geral e Familiar, e com a escassez de vagas abertas para algumas regiões (como por exemplo a região norte) não seria mais racional abrir mais vagas de especialidade em regiões carenciadas em detrimento das regiões não carenciadas? Como justificamos a abertura de tantas vagas de especialidade no norte quando depois não temos colocação para os especialistas? Não estaremos a ser vítimas de nós próprios? Não estaremos a criar expectativas de futuro onde não existem? Qual o futuro de um casal, já para não falar em famílias com descendentes, separado por 300 kms? Tantas vezes criticamos a abertura de vagas para o curso de medicina alegando que posteriormente não temos um país capaz de lhe fornecer uma formação complementar e abrimos vagas de especialidade em regiões que depois não temos local para os colocar. Estaremos a formar especialistas para emigrar? Não seria mais racional abrir essas mesmas vagas de especialidade em zonas carenciadas onde as pessoas constituíssem naqueles locais as suas famílias e posteriormente ficassem motivadas a ficar a trabalhar naqueles locais? Será racional colocar um especialista num local privado da sua própria família e como tal onde se encontrará completamente desmotivado? Na minha opinião está ai uma forma de conseguir resolver parte dos problemas, a abertura de vagas de especialidade em regiões carenciadas de médicos de família.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]
ler mais

RECENTES

ler mais