4 Dez, 2018

OMS vai criar grupo de trabalho sobre manipulação genética após polémica chinesa

A Organização Mundial de Saúde (OMS) vai criar um grupo de trabalho sobre manipulação genética, indicou o diretor-geral, depois de um cientista chinês ter anunciado o nascimento dos primeiros bebés do mundo com ADN alterado.

Segundo o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, que falou esta segunda-feira à imprensa em Genebra, na Suíça, a modificação de genes em humanos “não pode ocorrer sem diretrizes claras”.

Tedros Adhanom Ghebreyesus disse que a OMS reúne especialistas que irão trabalhar com os Estados-Membros da organização para “discutir os critérios e diretrizes que possam responder aos problemas éticos e de segurança no seio da sociedade”.

O grupo de trabalho da OMS sobre manipulação genética inclui académicos, peritos da organização e médicos, precisou, sem apontar a iniciativa como uma resposta direta à experiência chinesa.

“Temos de ser muito prudentes (…). Não nos devemos comprometer com a manipulação genética sem ter em conta as consequências não desejadas”, sublinhou o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde.

O cientista chinês He Jiankui anunciou, num vídeo difundido na semana passada no YouTube, o nascimento de duas gémeas cujo material genético foi modificado, na fase embrionária, para as tornar resistentes ao vírus da sida. O pai das bebés estava infetado com o VIH.

A experiência, cujos resultados não foram confirmados por pares nem publicados em revistas científicas, foi condenada pela comunidade científica chinesa e internacional.