19 Fev, 2020

Inédito. Maternidade da zona do Porto foi a que registou mais partos em 2019

O centro Materno-Infantil do Norte registou 3571 partos no ano passado (um recorde para esta unidade), ultrapassando, assim, a Maternidade Alfredo da Costa.

É a primeira vez que acontece desde que há registos. Uma maternidade da zona Norte, neste caso o Centro Materno-Infantil do Norte (CMIN), no Porto, alcançou o maior número de partos a nível nacional, avança o Jornal de Notícias. No CMIN, fizeram-se 3571, mais do que na tradicional recordista neste indicador, a Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa.

Segundo os dados do portal do SNS, só três maternidades tiveram mais de 3 mil partos. Para além do CMIN, a Maternidade Alfredo da Costa e o Hospital de Braga também atingiram esse patamar: registaram se 3263 na maternidade lisboeta e 3153 em Braga.

Com o número de nascimentos a crescer de forma tímida (quase no limiar da estagnação nos últimos anos), há maternidades por todo o país que tem visto o número de partos diminuir. Não é o caso do CMIN. As boas condições do espaço e do atendimento atraem grávidas de toda a área do Grande Porto (e não só), tendo a maternidade sido obrigada a transferir três grávidas em 2019 por falta de vagas. Há 38 camas disponíveis, sendo que a unidade de internamento de cuidados intensivos tem capacidade para 12 mulheres e a de cuidados intermédios para outras 8.

No ano passado, registaram-se mais 250 partos do que em 2018 e a expectativa do diretor do CMIN, Caldas Afonso, é que o número possa aumentar este ano. Por isso, a maternidade já pediu autorização ao Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Porto, onde está integrado, para adicionar mais “seis camas na área da mulher”.

TC/SO

ler mais

RECENTES

ler mais