26 Jul, 2021

Covid-19: Pelo menos 4.156.164 mortos e 193,6 milhões de casos no mundo

Os países com mais novas mortes relativas à covid-19 nos últimos relatórios são a Indonésia com 1.266 novas mortes, o Brasil (1.108) e a Rússia (779).

A covid-19 matou pelo menos 4.156.164 pessoas em todo o mundo desde que o início da pandemia, no final de dezembro de 2019, segundo um relatório da AFP, publicado ontem, com base em fontes oficiais.

Mais de 193.687.980 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados desde o início da pandemia.

No sábado, 8.471 novas mortes e 525.589 novos casos foram comunicados em todo o mundo. Os países com mais novas mortes, relacionadas com a covid-19, nos seus últimos relatórios são a Indonésia com 1.266 novas mortes, o Brasil (1.108) e a Rússia (779).

Os Estados Unidos são o país mais afetado pela pandemia de covid-19, tanto em termos de mortes, como de casos, com 610.850 mortes de 34.430.608 casos, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil com 549.448 mortos e 19.670.534 casos, a Índia com 420.551 mortos (31.371.901 casos), o México com 238.316 mortos (2.741.983 casos), e o Peru com 195.795 mortos (2.102.904 casos).

Entre os países mais duramente atingidos pela covid-19, o Peru tem o maior número de mortes ‘per capita’, com 594 mortes por 100.000 habitantes, seguido da Hungria (311), Bósnia (295), República Checa (283) e Macedónia do Norte (263).

A América Latina e as Caraíbas registam 1.356.077 mortes (40.176.616 casos), a Europa 1.194.431 mortes (57.396.849 casos), a Ásia 646.037 mortes (43.599 casos), os Estados Unidos e Canadá 637.394 mortes (35.856.595 casos), África 163.675 mortes (6.443.764 casos), o Médio Oriente 157.239 mortes (10.139.499 casos), e a Oceânia 1.311 mortes (75.442 casos).

Os números baseiam-se em dados recolhidos pela AFP junto das autoridades nacionais competentes e em informações da OMS.

Os números são baseados em relatórios diários das autoridades sanitárias de cada país. Excluem as revisões feitas a posteriori por certos organismos estatísticos, que concluem que o número de mortes é muito mais elevado.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima mesmo, tendo em conta o excesso de mortalidade direta e indiretamente ligado à covid-19, que o número de mortes da pandemia poderá ser duas a três vezes superior ao registado oficialmente.

Uma proporção significativa dos casos menos graves ou assintomáticos também não é detetada, apesar da intensificação do rastreio em muitos países.

Artigos relacionados:

ler mais

RECENTES

ler mais