1 Mar, 2018

Cerca de 12% dos portugueses adiciona sal na sua comida

Segundo dados do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF), cerca de um quinto dos portugueses adiciona sal nos alimentos já confecionados e 13.7% das pessoas com hipertensão arterial tem este hábito.

Realizado pelo Departamento de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), este inquérito analisou o consumo adicional de sal dos portugueses e concluiu que 1,19 milhões (cerca de 12%) costuma juntar este tempero ao alimento já confecionado.

O INSEF estudou 4.911 pessoas, na sua maioria em idade ativa (84,3% com idade entre os 25 e os 64 anos), cerca de três quintos (63,4%) dos quais “sem escolaridade ou com escolaridade inferior ao ensino secundário” e 11,2% desempregados.

Em relação ao consumo adicional de sal, um em cada cinco homens consome mais face a uma em cada sete mulheres. O grupo etário dos 25 aos 34 anos é aquele que mais adiciona o sal aos alimentos quando estes já estão no prato e o Algarve a região do Algarve onde é mais frequente este hábito: 35,8%. O consumo adicional de sal foi mais frequente nas pessoas empregadas (19,6%), seguindo-se os desempregados (16,9%) e os reformados, domésticos ou estudantes (13,6%).

De acordo com os dados do INSEF, 13,7% das pessoas diagnosticadas com hipertensão arterial referiu adicionar sal no prato da sua comida. Segundo a Sociedade Portuguesa de Hipertensão, se cada pessoa consumisse menos duas grãos de sal por dia a taxa de Acidente Vascular Cerebral (AVC) cairia entre 30 e 40% nos cinco anos seguintes e ocorreriam menos 11 mil casos por ano em Portugal.

O consumo excessivo de sal é responsável por 2,3 milhões de mortes por ano, devido a doenças cardiovasculares, em todo o mundo.

LUSA/SO

Infografia: no programa Infogram por Mónica Silva

ler mais

RECENTES

ler mais