[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” […]

A obesidade é uma doença crónica de grande complexidade

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” comments=”off” featured_image=”off” featured_placement=”above” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”center” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” title_all_caps=”off” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_css_post_image=”float: left;|| width: 180px;|| height:190px;|| object-fit: cover;|| margin-top: 30px;|| margin-right: 30px;|| margin-bottom: 10px;|| margin-left: 0;|| max-width: 180px;|| border: 3px solid #999999;|| border-radius: 150px;|| -webkit-filter: grayscale(100%);|| filter: grayscale(100%);” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)”] [/et_pb_post_title][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on” custom_css_main_1=”position: relative;||”][et_pb_column type=”1_4″][et_pb_team_member admin_label=”Dados do Médico” name=”José Silva Nunes” position=”Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo do Centro Hospitalar de Lisboa Central” image_url=”https://saudeonline.pt/wp-content/uploads/2018/05/José-Silva-Nunes.jpg” animation=”off” background_layout=”light” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” module_class=”ds-thumbnail-blog-red” header_font=”|on|||” header_font_size=”16″ custom_css_member_image=”-webkit-clip-path: circle(50% at 50% 50%);||clip-path: circle(50% at 50% 50%);||”]

Unidade de Tratamento Cirúrgico da Obesidade e Doenças Metabólicas do Centro Hospitalar de Lisboa Central

[/et_pb_team_member][/et_pb_column][et_pb_column type=”3_4″][et_pb_text admin_label=”Corpo do texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a obesidade no adulto é definida quando o índice de massa corporal (IMC – que se obtem dividindo o peso, em Kg, pelo quadrado da altura, em metros) é igual ou superior a 30 kg/m2. Como o peso considerado normal vai até aos 24,9 Kg/m2, quando aquele quociente se encontra entre 25 e 29,9 Kg/m2, diz-se estar perante pré-obesidade

A obesidade é um problema de saúde pública, com proporções pandémicas. Globalmente, a sua prevalência quase que triplicou nos últimos 40 anos. As estimativas da OMS apontavam para que, em 2016, mais de 1,9 biliões de adultos apresentasse excesso ponderal; destes, mais de 650 milhões seriam obesos.

A obesidade correlaciona-se com aumento da morbilidade e da mortalidade, aumentando a incidência de diabetes mellitus tipo 2, doença isquémica coronária, acidente vascular cerebral e de múltiplas neoplasias (nomeadamente, da mama, da próstata, do endométrio, do cólon e do reto), entre outros. A obesidade classe III (quando o IMC se encontra acima de 40 kg/m2) está associada a encurtamento da esperança de vida em cerca de 10 anos. Para além das implicações da doença sobre a qualidade de vida do indivíduo atingido, a obesidade e as suas comorbilidades têm um marcado impacto financeiro sobre o Serviço Nacional de Saúde.

A obesidade não deve ser vista, de forma simplista, como o resultado de uma ingestão alimentar em demasia, um défice de atividade física ou de ambos os fatores. No entanto, é verdade que a causa fundamental da obesidade e pré-obesidade resulta de um desequilíbrio energético entre as calorias consumidas e as calorias gastas no contexto de uma disfunção a nível do centro de controlo do apetite (localizado a nível do hipotálamo). O desequilíbrio nos mecanismos homeostáticos orexígenos (que induzem aumento do apetite) e anorexígenos (que promovem a supressão do apetite) resulta em aumento crónico do peso corporal. Uma vez instalado o peso excessivo (com consequente redefinição daquele que passará a ser o peso considerado como “normal”) e obedecendo ao princípio básico da lei de sobrevivência, o corpo humano tenta combater a perda de peso através de todos os mecanismos disponíveis. Assim, promoverá uma redução das hormonas e outros produtos com impacto sobre a supressão da fome e sobre o gasto energético. Estas ações são fisiológicas e, em indivíduos sem obesidade, conferem um benefício de sobrevida durante períodos de escassez de alimentos. No caso de indivíduos com obesidade, o problema é que o peso que os sistemas homeostáticos interpretam como sendo normal não o é realmente.

Face a esta disfunção, o tratamento da obesidade torna-se complexo e implica uma ação multidisciplinar conjunta, mediante o envolvimento de profissionais de saúde de várias áreas. Tal tratamento passa, obrigatoriamente, por uma intervenção comportamental, de correção de eventuais erros alimentares e de implementação da atividade física. Embora ainda em número reduzido, vão surgindo alguns fármacos que podem ser utilizados como complemento àquelas abordagens. Para casos de obesidade mais grave, a cirurgia gastrointestinal constitui uma opção a ter em conta (embora tal intervenção não constitua uma alternativa às intervenções anteriores mas, antes, uma arma para ser usada em complementaridade).

Apesar da sua complexidade, é preciso ter presente que a obesidade é prevenível e é tratável!

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]
ler mais

RECENTES

ler mais