10 Jul, 2019

Pneumonia: Longo tratamento com antibióticos não melhora resultados

Estudo publicado na Annals of Internal Medicine revela que quase metade dos antibióticos são prescritos no momento da alta, o que resulta num excessivo período de terapêutica.

Para pacientes hospitalizados com Pneumonia Adquirida na Comunidade (PAC), mais não é melhor quando se trata de terapia antibiótica. Na verdade, é provavelmente pior.

Usando dados de 43 hospitais, a Prof. Dra. Valerie M. Vaughn (professor assistente de medicina na Universidade de Michigan) e a sua equipa avaliaram prescrições de antibióticos para o tratamento de quase 6500 adultos com pneumonia adquirida na comunidade de 2017 a 2018.

Mais de dois terços dos pacientes receberam antibióticos que excederam as durações necessárias. Tipicamente ligados à terapia oral pós-alta, os tratamentos mais longos não melhoraram os resultados dos pacientes e, para além disso, ainda aumentaram o risco de eventos adversos associados a antibióticos, relatam os autores num artigo publicado na revista Annals of Internal Medicine .

Antibióticos prescritos na alta representaram quase metade (49,5%) do total de dias de antibióticos e 93,2% de todos os dias em que o doente toma antibiótico em excesso. Quase todo o excesso de terapia resultou de antibióticos prescritos na alta, o que indica “uma necessidade urgente e não satisfeita de ‘administração de alta’, ou intervenções coordenadas para melhorar a prescrição de antibióticos na alta”, escrevem os investigadores. “É notável que apenas 18% dos pacientes receberam 0 ou 1 dia de antibióticos após a alta. Em vez disso, o relógio pareceu reiniciar, já que 44,7% receberam antibióticos completos (5, 7 ou 10 dias) após a alta”.

Os pesquisadores basearam sua avaliação em guidelines que recomendam a duração do tratamento com antibióticos com base na classificação da pneumonia, no organismo e no tempo até a estabilidade clínica. De acordo com esses critérios, a duração esperada do antibiótico para pacientes com Pneumonia Adquirida na Comunidade é de pelo menos 5 dias. Já quanto à Pneumonia associada a cuidados de saúde (HCAP), causada por Staphylococcus aureus ou bacilos gram-negativos não fermentadores, a duração é de pelo menos 7 dias.

Dos 6481 pacientes (idade mediana de 70 anos) incluídos na análise, 4747 tinham PAC e 1734 tinham HCAP. Mais da metade (57,4%) apresentava pneumonia grave e 26,4% e 7,5%, respectivamente, tinham doença pulmonar obstrutiva crónica ou exacerbação da insuficiência cardíaca.

Segundo o estudo, 67,8% dos pacientes receberam uma terapia de antibióticos excessiva, incluindo 71,8% dos pacientes com PAC e 56,6% dos pacientes com HCAP. Entre aqueles com PAP e HCAP, a duração mediana do tratamento antibiótico foi de 8 dias e 9 dias, e a duração mediana do excesso foi de 2 dias e 1 dia. “Isso levou a 2526 dias de tratamento em excesso por 1.000 pacientes hospitalizados com pneumonia”, escrevem os autores.

O excesso de duração do tratamento é consistente com as observações de estudos anteriores e não foi explicado por diferenças na estabilidade clínica ou gravidade da doença. “De fato, a maioria dos pacientes com PAC (86,7%) estabilizou rapidamente”, garante os investigadores.

Um dado relevante é que os doentes com produção de expectoração tinham uma probabilidade 7% maior de ter ciclos antibióticos mais longos do que os necessários.

A duração do tratamento em excesso não melhorou as taxas de mortalidade a 30 dias, readmissões ou urgências, mas aumentou a probabilidade de eventos adversos associados ao tratamento com antibióticos. Entre os pacientes que foram contactados por telefone um mês após a alta, a probabilidade de um evento adverso relatado pelo paciente foi 5%, um risco que aumentava por dia de excesso de tratamento. Os eventos adversos mais comuns foram diarreia, desconforto gastrointestinal e candidíase.

Os investigadores apelam a uma mudança nas guidelines, que “devem recomendar explicitamente que os médicos prescrevam a menor duração de terapêutica efetiva, semelhante às recomendações feitas nas diretrizes de pneumonia hospitalar”.

TC/SO

ler mais

RECENTES

ler mais