Cruz Vermelha e Novo Nordisk anunciam parceria internacional para tratamento de doenças crónicas

O Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV), a Cruz Vermelha Dinamarquesa (RDC) e a farmacêutica Novo Nordisk anunciaram esta quarta-feira uma parceria internacional pioneira para fornecer cuidados de saúde a pessoas com doenças crónicas em países que vivem crises humanitárias.

Segundo um comunicado, as três entidades consideram que “atualmente, mais pessoas são afetadas por doenças crónicas não transmissíveis do que por doenças transmissíveis” e que “isso não se reflete nos recursos de saúde em geral e muito menos em crises humanitárias”.

A mesma nota refere que esta parceria assenta em três pilares: garantir o fornecimento eficiente de insulina humana em frascos para injetáveis para a Cruz Vermelha em todo o mundo; apoio da Novo Nordisk aos programas de saúde do CICV e da RDC, incluindo esforços para melhorar a prevenção e atenção às doenças crónicas não transmissíveis; 2-3 projetos para providenciar assistência a pessoas com hipertensão e diabetes em crises humanitárias a serem realizados nos próximos três anos.

“As doenças não transmissíveis são um assassino silencioso e muitas vezes negligenciadas em tempos de conflito armado. Todas as pessoas precisam de acesso a infra-estruturas de saúde apropriadas e medicamentos para gerirem a sua saúde. Se olharmos para o Iemen, a Síria, o Iraque e mais países, milhares permanecerão com doenças graves se não puderem receber equipamentos e medicamentos médicos essenciais, como a insulina, para tratar a diabetes “, diz Peter Maurer, presidente do CICV, citado no referido comunicado.

Lars Fruergaard Jørgensen, CEO da Novo Nordisk, garante que “as nossas três organizações estão empenhadas em resolver estas necessidades de saúde não atendidas através de uma parceria exploratória que combina as nossas respetivas áreas de especialização”.

Anders Ladekarl, secretário geral da Cruz Vermelha dinamarquesa, acrescenta “Como organizações parceiras, usaremos a nossa influência e escala para melhor atender às necessidades das pessoas que vivem com doenças crónicas não transmissíveis em crises humanitárias, e defender em conjunto com outros agentes humanitários e de saúde a promoção destes objetivos. Esta parceria é um primeiro passo para concretizarmos o nosso propósito coletivo de que todas as pessoas com doenças crónicas não transmissíveis em situações humanitárias tenham acesso a cuidados médicos.”

Ainda em comunicado, as organizações anunciam uma colaboração com o Humanitarian Crises Centre at the London School of Hygiene and Tropical Medicine (LSHTM), com o diretor Karl Blanchet como o principal parceiro académico, e explicam qual será o contributo de cada uma nesta missão:

O CICV contribuirá com sua experiência em operações e resposta humanitária, especialmente na prestação de assistência médica a populações vulneráveis em ambientes frágeis e violentos. Juntamente com a RDC, o CICV conduzirá a implementação de projetos de demonstração no terreno, incluindo a identificação de pessoas que necessitam de tratamento para diabetes e hipertensão através da rede existente de serviços de saúde apoiados pelo CICV.

A RDC contribuirá com seu conhecimento em atividades de alcance comunitário e capacitação em ambientes humanitários, com foco na prevenção e na gestão de doenças crónicas. Facilitará o acesso a redes nacionais de grupos da sociedade civil, fornecendo serviços relevantes nos contextos locais específicos. Irá ainda mobilizar colaboradores e voluntários, incluindo profissionais de saúde, com experiência significativa em operações e resposta humanitária.

A Novo Nordisk adaptará os seus procedimentos de pedido e produção para melhor atender às necessidades das organizações humanitárias, bem como compartilhar o seu conhecimento sobre o manuseamento e distribuição de produtos de cadeia de frio. Compartilhará a sua ampla experiência de capacitação para ampliar o acesso aos cuidados para a diabetes, incluindo o apoio ao desenvolvimento de materiais educacionais sobre prevenção e cuidados na diabetes em contexto humanitário. A contribuição financeira para a parceria é de cerca de 2.887.000 de Euros (21,5 milhões de coroas dinamarquesas).

O papel do LSHTM será o de conduzir a avaliação das necessidades, orientar o desenho das intervenções e avaliar as intervenções para melhorar a prevenção e o atendimento das doenças crónicas não transmissíveis em situações humanitárias.

COMUNICADO/SO

ler mais

RECENTES

ler mais