7 Set, 2017

Vírus zika pode ser usado no combate a tumores cerebrais

Sabendo que o vírus zika ataca células importantes para o crescimento dos bebés, uma equipa de investigadores norte-americanos pretende usá-lo para atacar tumores

O grupo, composto por cientistas das Escolas de Medicina da Universidade de Washington e da Universidade de Califórnia San Diego, acredita que o vírus zika pode oferecer um tratamento surpreendente para tumores cerebrais em adultos.

Visto como uma ameaça global, o zika pode infetar e eliminar células cancerígenas que são difíceis de matar no cérebro. Testado em amostras de células humanas em laboratório, o vírus é injetado e ataca os tumores agressivos, deixando as restantes células do cérebro ilesas.

Ainda não foram realizados testes em humanos, mas os investigadores acreditam que o vírus pode ser injetado no cérebro no decorrer da cirurgia para remover os tumores malignos.

Dentro dos vários tipos de cancros cerebrais, o glioblastoma é o mais comum nos adultos e um dos mais difíceis de tratar. Os tratamentos mais comuns, como a quimioterapia, a radioterapia e a cirurgia podem não ser suficientes para remover cancros tão invasivos como é o caso do glioblastoma.

Os cérebros dos bebés têm células estaminais saudáveis em abundância, enquanto o cérebro adulto não, o que faz com que o tratamento com o vírus zika em adultos destrua apenas as células estaminais do cancro sem causar danos colaterais.

A equipa de investigadores já começou a modificar o vírus de modo a torná-lo mais seguro. “Depois de adicionarmos mais umas mudanças, penso que será impossível para o vírus alterá-las e provocar doenças”, afirmou o Dr. Michael Diamond.

A ideia de combater o cancro com um vírus não é nova, mas utilizar o zika como arma sim. Os cientistas pretendem começar os testes em humanos dentro de 18 meses.

SO/SF

Gedeon Richter

 

ler mais

RECENTES

ler mais