31 Out, 2016

Utentes “abandonados” na urgência do hospital de Bragança

Os utentes denunciam situações de abandono e falhas no atendimento. Administração contesta, garantindo que o tempo médio de permanência no serviço é de três horas e meia

O Serviço de Urgência do Hospital de Bragança, a unidade de saúde de referência do Nordeste Transmontano, tem sido alvo nos últimos dias de queixas, com utentes a denunciarem situações de abandono e falhas no atendimento.

À Lusa chegaram relatos de um doente de 88 anos transportado pela Emergência Médica que esteve cinco horas abandonado numa maca e de uma bebé de 15 meses que foi levada três vezes à urgência com esperas de sete horas, até acabar por ficar internada.

Contactada pela Lusa, a administração da Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste referiu o reduzido número de reclamações “formais”, ou seja por escrito, e nas estatísticas apontando que “80% dos doentes permanecem na Urgência por um período inferior a quatro horas”.

Eduardo Bruno foge ao padrão depois de ter esperado na noite de terça-feira “sete horas” com a filha de 15 meses e ter regressado duas vezes no dia seguinte, até que acabou por fazer queixa no Livro de Reclamações.

Segundo contou à Lusa, a bebé est