[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” […]

Um contexto de riscos na Saúde

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” comments=”off” featured_image=”off” featured_placement=”above” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”center” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” title_all_caps=”off” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_css_post_image=”float: left;|| width: 180px;|| height:190px;|| object-fit: cover;|| margin-top: 30px;|| margin-right: 30px;|| margin-bottom: 10px;|| margin-left: 0;|| max-width: 180px;|| border: 3px solid #999999;|| border-radius: 150px;|| -webkit-filter: grayscale(100%);|| filter: grayscale(100%);” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)”] [/et_pb_post_title][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on” custom_css_main_1=”position: relative;||”][et_pb_column type=”1_4″][et_pb_team_member admin_label=”Dados do Médico” name=”Luís Melo” position=”Partner, Boyden Global Executive Search Portugal” image_url=”https://saudeonline.pt/wp-content/uploads/2018/05/imageedit_4_7985387157.jpg” animation=”off” background_layout=”light” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” module_class=”ds-thumbnail-blog-red” header_font=”|on|||” header_font_size=”16″ custom_css_member_image=”-webkit-clip-path: circle(50% at 50% 50%);||clip-path: circle(50% at 50% 50%);||”] [/et_pb_team_member][/et_pb_column][et_pb_column type=”3_4″][et_pb_text admin_label=”Corpo do texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

Numa perspetiva global, o sector de Healthcare & Life Sciences encontra-se a enfrentar desafios acrescidos, que ameaçam dar origem a ruturas ao nível da gestão, tecnologia e regulamentação. Embora o nível de qualidade e o acesso aos cuidados de Saúde permaneçam desiguais entre geografias diversas, existem hoje mais oportunidades do que nunca para proporcionar um melhor serviço a pacientes, ao mesmo tempo que se promete uma rentabilização de recursos e custos.

Muitos países enfrentam uma crescente pressão para diminuir a despesa no sector, que parece inevitável face ao envelhecimento da população e ao peso representado pela necessidade de encontrar respostas para doenças crónicas. Consequentemente, governos, empresas de tecnologia farmacêutica e médica e provedores de serviços de Saúde estão a procurar ir além dos métodos tradicionais de tratamento de pacientes. É possível atestar um sucesso mensurável no processo de inovação tecnológica e na cadeia logística, especialmente com o aumento do uso de big data e a avaliação da eficiência hospitalar com base na análise de resultados.

O sector europeu da Saúde e Life Sciences enfrenta a perspetiva de enormes desafios a curto prazo. Na melhor das hipóteses, os especialistas concordam que o futuro é incerto. Embora o ambiente económico atual se tenha estabilizado desde o colapso financeiro vivido no ano de 2008, os países da região encontram-se sob uma pressão extrema para reduzir custos associados a esta realidade.

Mesmo face a uma maior procura por serviços de Saúde, motivados pelo envelhecimento da população e o aumento do peso de doenças crónicas, espera-se que o crescimento anual dos gastos em Saúde diminua, devido às medidas implementadas tendo em vista a redução de custos. Atualmente, a Europa tem a maior proporção de idosos – indivíduos com 60 anos ou mais – a nível global, devendo manter essa “distinção” nas próximas décadas.

Até agora, os esforços para reduzir a despesa com a Saúde tiveram lugar através da maior adoção de genéricos. Embora isso tenha tornado muitos medicamentos mais baratos e acessíveis para a população em geral, o que deveria possibilitar o acesso mais rápido a medicamentos de carácter inovador, tal nem sempre se verificou, com os governos, propositadamente, a atrasar o acesso a estes medicamentos como forma de controlar os gastos com a Saúde.

Enquanto o estado do sector de Saúde é incerto em toda a Europa, espera-se que o sul do continente seja a região que mais sofra mais nos próximos anos. Os gastos com Saúde em Portugal iniciaram a sua recuperação em 2017, a par de uma situação semelhante vivida na Grécia e em Espanha. Na Europa Ocidental, o Reino Unido também enfrenta restrições nos gastos médicos, o que levará a políticas mais restritivas de reembolso e, em resultado, custos mais altos para os pacientes.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]
ler mais

RECENTES

ler mais