4 Mai, 2017

Terceiro acelerador linear nos Hospitais de Coimbra reforça Serviço Nacional de Saúde

A entrada em funcionamento do terceiro acelerador linear do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) reforça a capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde e aumenta as oportunidades para os doentes, segundo o presidente daquela unidade

A licença da tutela para a entrada em funcionamento do terceiro acelerador linear no serviço de radioterapia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) chegou na sexta-feira e, na terça-feira, o equipamento já estava a efetuar tratamentos, aumentando para três o número de aparelhos em atividade diária nos Hospitais de Coimbra.

Em declarações à agência Lusa, o presidente do Conselho de Administração do CHUC, José Martins Nunes, salientou que a atribuição da terceira licença é, sobretudo fundamental para os doentes, que a partir desta atribuição da terceira licença, encontram uma nova esperança para o tratamento da doença.

“Foi um processo de escrutínio técnico muito rigoroso e profundo por parte dos organismos que têm a responsabilidade de produzir parecer com vista à decisão do ministro da Saúde, dado que os aceleradores lineares são equipamentos ‘pesados’ atribuídos em função de múltiplos indicadores, como sejam demográficos e de incidência da patologia oncológica”, sublinhou o presidente do CHUC.

De acordo com José Martins Nunes, o aumento da capacidade terapêutica faz com que Coimbra disponibilize para a região, e até para fora da região, mais oportunidade de acesso dentro do SNS, cumprindo assim um dos seus mais importantes desígnios: “dar um contributo decisivo para que seja possível tratar mais doentes, com mais qualidade, com mais oportunidade e com melhor acesso”.

“Com os recursos que temos e fazendo a utilização dos três aparelhos é muito mais fácil colocar os doentes em tratamento de uma forma mais rápida e diminuir a espera para a realização de tratamento”, defendeu, por outro lado, Margarida Borrego, diretora do Serviço de Radioterapia do CHUC.

Segundo esta responsável, a partir de agora passa a ser possível diminuir o tempo de espera e tornar muito mais fácil o acesso ao tratamento do doente oncológico.

Antes da entrada em funcionamento do terceiro equipamento, o serviço de Radioterapia tratava, em média, cerca de 120 doentes por dia, dependendo do tipo de patologia, em dois turnos ininterruptos, das 08:00 às 20:00, de segunda a sexta-feira.

O serviço de Radioterapia tem notado uma procura crescente ao longo dos últimos anos, tendo verificado em 2016 um aumento de doentes em tratamento na ordem dos 06% relativamente ao ano anterior.

“Verifica-se também o pedido de tratamentos para doentes muito deles para terapêutica paliativa, em que um acesso rápido é fundamental, porque são doentes que têm dor que não é controlada ou ainda para evitar fraturas”, disse Margarida Borrego.

Para o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM), Carlos Cortes, que, em meados de abril, denunciou a inatividade do acelerador linear por falta de licença da tutela, prevaleceu “o bom senso e a superior preocupação com os doentes”.

Salientando que se trata de uma “vitória dos doentes”, Carlos Cortes frisou que a região Centro “está mais forte do que na semana passada”.

O presidente da SRCOM volta a referir que são precisos mais aceleradores lineares para responder às necessidades da região nesta área da saúde.

LUSA/SO/CS

ler mais

RECENTES

ler mais