1 Ago, 2017

Recurso a a serviços de saúde estrangeiros está a diminuir

Em nota enviada às redações, a Direcção-Geral da Saúde (DGS) aponta a "tendência decrescente" do número de autorizações por si concedidas: 369 em 2013, 471 em 2014, 323 em 2015, 275 em 2016

De acordo com dados divulgados pela Direcção-Geral da Saúde, o número de pessoas autorizadas a receber assistência médica no estrangeiro tem vindo a diminuir. De acordo com a DGS, no ano passado, houve 275 autorizações para iniciar ou continuar um tratamento ou, pelo menos, para enviar material genético para o estrangeiro.

Em nota enviada às redações, a Direcção-Geral da Saúde (DGS) aponta a “tendência decrescente” do número de autorizações por si concedidas: 369 em 2013, 471 em 2014, 323 em 2015, 275 em 2016.

Números que não englobam autorizações referentes a doentes novos, doentes com tratamentos iniciados em anos anteriores e doentes que não chegaram a deslocar-se ao estrangeiro. Ainda segundo a DGS, no ano passado, 115 autorizações corresponderam a envio de material genético, em 2015, 86. Em 2014, 151.

Segundo a DGS, esta tendência de diminuição “resulta da maior e melhor capacidade de resposta instalada no Serviço Nacional de Saúde, nomeadamente através da efectiva constituição de centros de referência, que passaram, progressivamente, a assumir os casos clínicos, habitualmente com necessidade de referenciação para o estrangeiro.”

Público/SO/MM

ler mais

RECENTES

ler mais