17 Nov, 2016

Rastreio revela que 20% das pessoas apresentavam risco acrescido de vir a desenvolver diabetes

Dos inquéritos realizados em Lisboa no âmbito do Dia Mundial da Diabetes, 20% apresentavam grau moderado, elevado ou muito elevado de desenvolver diabetes tipo 2.

A aplicação do questionário de risco de diabetes “Mais vale prevenir que remediar”, que a Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP) tem vindo a aplicar nas ações de rastreio que realiza em todo o país ao longo do ano, tem revelado resultados preocupantes.

A 14 de novembro, Dia Mundial da Diabetes, a mais antiga associação de apoio a doentes com diabéticos do mundo realizou na Praça Luís de Camões, em Lisboa, mais uma acção de sensibilização para a doença e de deteção do risco de desenvolvimento de da doença, que para além dos técnicos da APDP contou com o apoio de estudantes de medicina da Universidade de Lisboa. E com o patrocínio da Câmara Municipal de Lisboa e da Bayer.

Ao longo do dia, cerca de 300 pessoas passaram pela tenda em que a APDP aplicou as fichas de avaliação de risco de diabetes tipo 2 e fez rastreios à retinopatia diabética . Resultado: 20% dos inquiridos apresentaram grau moderado, elevado ou muito elevado de desenvolver diabetes tipo 2.

Além da indicação da idade, do índice de massa corporal (IMC) e da medida da cintura, colocaram-se questões como: Pratica diariamente atividade física? Com que regularidade come vegetais e/ou fruta? Toma regularmente ou já tomou alguns medicamentos para a hipertensão arterial? Alguma vez teve açúcar elevado no sangue? Tem algum membro de família próximo ou outros familiares a quem foi diagnosticado diabetes (tipo 1 ou tipo 2)? De entre as várias respostas, muitas pessoas referiram ter familiares com diabetes, IMC e perímetro abdominal elevado (pior parâmetro).

“É muito mais eficaz trabalhar na prevenção da diabetes e alertar as pessoas de todas as formas possíveis. O rastreio é a forma mais direta, mas o importante é criar momentos de sensibilização para a doença e para as suas graves consequências, como a retinopatia diabética, à qual também fizemos rastreio na ação do Dia Mundial”, alerta Luis Gardete Correia, presidente da APDP.

Recorde-se que qualquer pessoa pode desenvolver diabetes tipo 2, apesar de haver pessoas com maior risco: pessoas com familiares com diabetes; pessoas com excesso de peso ou sedentárias; mulheres que tenham tido diabetes durante a gravidez ou que tenham tido filhos com mais de 4kg à nascença; pessoas com síndrome metabólico (conjunto de problemas que incluem aumento da cintura, colesterol elevado e hipertensão).

A solução está ao alcance de todos: manter hábitos de vida saudável e levar uma vida ativa, nomeadamente fazendo uma alimentação equilibrada, mantendo o peso normal e andando a pé todos os dias.

SO

 

ler mais

RECENTES

ler mais