22 Fev, 2017

Químicos com alto teor de flúor ameaçam em produtos do dia-a-dia

Estes químicos não se decompõem, contaminando o ambiente durante milhares de anos e os cientistas censuram as instituições de regulação por não alargarem as restrições

Químicos perigosos associados ao cancro e infertilidade são usados em milhares de produtos de uso diário com superfícies antiaderentes, alertaram hoje cientistas, que querem banir estas substâncias.

Num artigo publicado na Environmental Science & Technology, investigadores da Suiça, Suécia e Estados Unidos apela à “regulação de toda a categoria de químicos com alto teor de flúor”.

Isto inclui os revestimentos antiaderente e anti mancha nas mobílias, tapetes, material de campismo, roupa, cosméticos, utensílios de cozinha e embalagem, feitos com materiais que foram ligados ao aparecimento de cancro dos rins e dos testículos, infertilidade, problemas de tiróide e alterações hormonais.

Estes químicos não se decompõem e contaminam o ambiente durante milhares de anos. Os cientistas censuram as instituições de regulação por não alargarem as restrições.

Ian Cousins, professor da universidade de Estocolmo e co-autor do artigo, afirmou que “a menos que se alargue o espectro [dos reguladores], as gerações futuras estarão cada vez mais expostas a água, ar e comida contaminada”.

Da universidade norte-americana de Berkeley, Tom Bruton alertou que os produtos enriquecidos com flúor que foram sendo proibidos acabaram por ser substituídos por outros parecidos, demasiados para se conseguir avaliar todos.

A indústria química defende-se, afirmando que os produtos atuais são mais seguros uma vez que não se acumulam no corpo humano, como os mais antigos. No entanto, os cientistas contrapõem que as pessoas estão em constante contacto com os químicos perigosos no ambiente que as rodeia.

Marcas mundiais de mobiliário e roupa estão a acabar com os químicos enriquecidos com flúor nos seus produtos, reconhecendo que o seu uso não é essencial.

LUSA/SO

 

Gedeon Richter

ler mais

RECENTES

ler mais