[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” […]

Mieloma Múltiplo: etiologia e recursos terapêuticos

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” comments=”off” featured_image=”off” featured_placement=”above” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”center” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” title_all_caps=”off” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_css_post_image=”float: left;|| width: 180px;|| height:190px;|| object-fit: cover;|| margin-top: 30px;|| margin-right: 30px;|| margin-bottom: 10px;|| margin-left: 0;|| max-width: 180px;|| border: 3px solid #999999;|| border-radius: 150px;|| -webkit-filter: grayscale(100%);|| filter: grayscale(100%);” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)”] [/et_pb_post_title][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on” custom_css_main_1=”position: relative;||”][et_pb_column type=”1_4″][et_pb_team_member admin_label=”Dados do Médico” name=”Fernando Leal da Costa ” position=”Médico” image_url=”https://saudeonline.pt/wp-content/uploads/2018/01/imageedit_2_3283518500.jpg” animation=”off” background_layout=”light” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” module_class=”ds-thumbnail-blog-red” header_font=”|on|||” header_font_size=”16″ custom_css_member_image=”-webkit-clip-path: circle(50% at 50% 50%);||clip-path: circle(50% at 50% 50%);||”]

 IPO Lisboa

[/et_pb_team_member][/et_pb_column][et_pb_column type=”3_4″][et_pb_text admin_label=”Corpo do texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

O Mieloma é uma doença sistémica que a tradição ainda denomina, por excesso de rigor, como sendo Múltiplo. Por definição, não há mielomas isolados ou únicos. É uma das neoplasias hematológicas mais frequentes em pessoas idosas, com cerca de 400 novos casos / ano em Portugal, metade dos quais em indivíduos com mais de 65 anos. É uma doença de células do sangue, com origem em plasmócitos, mas com impacto em múltiplos órgãos e sistemas. É uma doença imunossupressora e, por essa via, associada a infecções recorrentes. Provoca disfunção renal. Destrói os ossos e manifesta-se por osteólise com fracturas e dores intensas. Perturba a hematopoiese e causa anemia. Pode afectar o sistema cardiovascular e está ligada a uma maior probabilidade de tromboses venosas profundas. Ao longo da sua evolução, mais ou menos rápida, esta doença pode atingir o sistema nervoso periférico e central, por invasão ou por deposição de amilóide, o aparelho digestivo e as vias respiratórias.

Felizmente, o prognóstico desta doença, ainda incurável na larga maioria dos doentes, tem vindo a melhorar ao longo dos últimos 30 anos. Há mais anos vividos, maior número de anos vividos sem tratamento e uma grande diminuição dos sintomas associados à doença. Uma doença que, nos anos 80, estava associada a uma probabilidade de sobrevivência de 18 a 24 meses, para os doentes mais seriamente afectados, passou a ter sobrevivências de 8 anos na generalidade dos doentes, já com sobreviventes de duração superior a 20 anos. De notar que todo este progresso tem sido possível graças a um conjunto de circunstâncias favoráveis que se conjugaram. Hoje em dia, apesar de ainda não conhecermos a causa primeira do mieloma, sendo que esta doença deverá ter génese multifactorial, já sabemos muito mais sobre a sua genética, evolução e fisiopatologia celular. Há um conjunto de medicamentos que são dirigidos especificamente ao mieloma, explorando as fragilidades da célula doente, intervindo em mecanismos finos da fisiologia, da proteómica e da genética. Há intervenções no campo da imunoterapia, tal como já antes sucedia nos linfomas, que brevemente serão, se me é permitido especular, a espinha dorsal do tratamento medicamentoso do mieloma, em combinações que usarão imunomoduladores e anti-corpos monoclonais. É altamente provável que venhamos a ter acesso a terapias celulares dirigidas ao mieloma como começa a ser agora o caso em linfomas e leucemia de linfócitos B. Já há medicamentos eficazes na prevenção e tratamento da doença óssea do mieloma. Vamos ter agentes que impeçam o desenvolvimento de amilóide. Nos últimos 30 anos, houve desenvolvimentos ao nível da infecciologia que contribuíram decisivamente para a diminuição do risco de morte associado a esta doença. Além de tudo isto, há um novo e alargado conjunto de antálgicos que mudaram muito a qualidade de vida dos doentes, cuja patologia estava dominada pela dor associada à destruição óssea. As ferramentas diagnósticas e o seu impacto no prognóstico são já de grande precisão. Há melhores métodos laboratoriais de detecção da gamapatia, das células doentes, inclusivamente em circulação no sangue, e das lesões nos ossos ou em outros órgãos. A medicina nuclear e a radiologia são componentes indispensáveis no diagnóstico, estadiamento e avaliação de resposta, já não usando a radiologia convencional do esqueleto, claramente ultrapassada pelas TAC de baixa dose, RMN de difusão e o PET.

Mas há ainda muito por descobrir e em Portugal, como em outros Países, há uma grande vontade e capacidade de trabalhar para a melhoria da sobrevivência e da qualidade de vida dos doentes com mieloma. Iniciativas, como aquela que a Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL), em associação com a Sociedade Portuguesa de Hematologia (SPH) e a AMGEN Biofarmacêutica, agora repete são demasiado importantes para que se desperdicem. Estou certo que a comunidade de investigadores interessados no mieloma estará atenta a mais esta oportunidade de obtenção de financiamento, concorrendo com propostas de grande qualidade que, como em anos anteriores, tornarão muito difícil a decisão sobre a atribuição a um vencedor. Afinal, serão sempre os nossos doentes a beneficiar do que vier a ser feito e, por isso, estaremos todos muito gratos a quem se quiser juntar a esta iniciativa.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]
ler mais

RECENTES

ler mais