SaudeOnline.pt / Pneumo-online / pneumo-entrevistas

Diretor de Medicina Intensiva do São João: “Não queremos ter de priorizar entre dois doentes críticos”

O médico intensivista José Artur Paiva afasta, para já, um "cenário de catástrofe" mas alerta que "nenhuma resposta é infinita".

CPNPC. KEYNOTE-024: Pembrolizumab duplica taxa de sobrevivência a cinco anos

Em entrevista, o pneumologista do Hospital de São João destaca as combinações terapêuticas mais relevantes que têm surgido bem como as terapias em estudo para os CPNPC mutados.

Entrevista. CPNPC: “É urgente incorporar a imunoterapia em estádios mais precoces”

Ensaio KEYNOTE-189 mostrou benefício na OS mediana, em doentes com CPNPC avançado não escamoso sem tratamento prévio e sem mutação ALK ou EGFR, sublinha, em entrevista, a pneumologista do Hospital CUF Descobertas.

CPNPC: Combinação pembrolizumab/quimio reduz em 44% o risco de morte

Terapêutica, que já está disponível em todos os hospitais públicos depois da aprovação de financiamento por parte do Infarmed, aumenta a PFS em 4 meses, explica a médica oncologista do Hospital Pedro Hispano.

  • antibioticos

Entrevista. “Não é expectável que se consiga erradicar a Pneumonia Nosocomial”

Sobre a crescente resistência aos antibióticos, o intensivista do Hospital Lusíadas Porto, Presidente do GIS e Secretário-Geral da SPCI diz que "deverá ser dado ênfase ao diagnóstico microbiológico, ou seja, à identificação do microorganismo causador da infeção, aspeto fundamental para limitar a utilização de antibióticos de espectro alargado".

  • infecoes respiratorias

Vitamina D: “Doentes com défice parecem ser mais propensos a infeções respiratórias”

Em entrevista ao SaúdeOnline, o pneumologista Carvalheira Santos refere a importância dos suplementos de vitamina D para alguns grupos de risco, nomeadamente pessoas com doenças respiratórias crónicas.

CPNPC: Resultados de estudo com cemiplimab são “promissores”

"Os resultados preliminares obtidos são muito promissores, verificando-se uma diminuição do risco de morte com o Cemiplimab de 32.4%", realça o Director do Serviço de Oncologia do Centro Hospitalar do Porto e professor Catedrático do ICBAS.

Go to Top