Macau lança programa de rastreio do cancro colorretal

Os Serviços de Saúde de Macau lançaram um programa de rastreio do cancro colorretal, o segundo mais comum e mortal na região, que tem como destinatários os residentes com idades entre os 60 e os 69 anos

O Centro Hospitalar Conde de São Januário, único hospital público de Macau

Os Serviços de Saúde de Macau lançaram um programa de rastreio do cancro colorretal, o segundo mais comum e mortal na região, que tem como destinatários os residentes com idades entre os 60 e os 69 anos.

Os Serviços de Saúde esperam que metade do universo de elegíveis (8.000 em 16.000) adira ao programa que cobre as despesas com os exames.

O rastreio desenrola-se em duas fases: a primeira prevê um exame de sangue oculto nas fezes, ao qual seguir-se-á uma colonoscopia no caso de o resultado for positivo, explicou o chefe do Centro de Proteção e Controlo de Doenças dos Serviços de Saúde, Lam Chong, em conferência de imprensa.

As colonoscopias não vão ser realizadas no Centro Hospitalar Conde de São Januário – o único hospital público de Macau –, mas em três unidades privadas chamadas a colaborar no programa de rastreio, de dois anos.

O Governo estima gastar, por ano, nove milhões de patacas (um milhão de euros) – com base na adesão esperada de 8.000 residentes –, uma verba a ser distribuída pelos três hospitais privados consoante o número de exames levados a cabo, de acordo com Lam Chong.

O médico-consultor do Serviço de Gastroenterologia, Ng Ka Kei, afirmou que o São Januário “não tem capacidade” ou “condições” para fazer mais exames, atendendo ao número de utentes que recebe naquela unidade.

Segundo o especialista, realizam-se no hospital público 10 a 15 colonoscopias por dia (número que respeita apenas aos dias úteis e exclui os casos urgentes).

O programa divide o período de inscrição dos destinatários em duas fases.

Os nascidos nos anos ímpares (1947; 1949; 1951; 1953 e 1955) podem inscrever-se até 31 de outubro de 2017, enquanto os dos anos pares (1948; 1950; 1952; 1954 e 1956) o poderão fazer a partir de 01 de novembro do próximo ano e até 31 de outubro de 2018.

O intervalo etário foi definido com base na média das idades de incidência (67,5 anos) em Macau.

Para serem elegíveis para o rastreio, além da idade, os residentes têm de cumprir requisitos como não ter realizado nenhuma colonoscopia nos últimos cinco anos nem um exame de sangue oculto nas fezes nos últimos dois.

O cancro do colorretal é o segundo mais comum em Macau, a seguir ao de traqueia, brônquio e pulmões.

Em 2014, segundo os dados mais recentes dos Serviços de Saúde, foram registados 1.598 novos casos de cancro em Macau, dos quais 253 de cancro colorretal.

O cancro colorretal figura também como o segundo mais mortal: 101 mortes em 2014, a seguir ao de traqueia, brônquio e pulmões, com 188.

Os Serviços de Saúde realizaram, no ano passado, o “programa piloto” de rastreio do cancro colorretal, abrindo mil vagas para a realização do exame de sangue oculto nas fezes.

Segundo dados divulgados hoje, 995 residentes submeteram as amostras para o exame, o qual deu positivo em 107, com 66 pessoas a precisarem de mais exames médicos.

No final do procedimento, foram diagnosticados seis tumores malignos, três em fase avançada e três num estágio inicial.

ler mais

RECENTES

ler mais