23 Fev, 2017

Grande incidência do cancro do cólon é discutida nas XXIV Jornadas da ROR-Sul

O cancro do cólon, em 2010 e 2011, passou a ser o terceiro com maior incidência na zona sul do país, confirmando os receios dos especialistas que alertam para o crescimento deste tumor há anos, associado a hábitos alimentares

Os dados fazem parte do documento “Incidência, Sobrevivência e Mortalidade de todos os tumores na população portuguesa adulta na região sul de Portugal, no período 2010/2011”, que será hoje apresentado nas XXIV Jornadas ROR-Sul, em Lisboa.

O documento revela os resultados da incidência, sobrevivência e mortalidade por cancro, ocorridos na população nas quatro regiões de saúde – Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo, Algarve e Região Autónoma da Madeira -, e foi editado pelo Registo Oncológico Regional – Sul (ROR-Sul).

A área abrangida pelo ROR-Sul representa cerca de 50% do território português e uma população anual média aproximada de 4,8 milhões de habitantes.

Em 2010, foram registados 23.603 novos casos de cancro nesta região, sendo o da mama aquele que teve maior incidência (3.247), seguindo-se o da próstata (2.808) e o do cólon (2.430).

Nesse ano, a taxa bruta de tumores malignos foi de 484,25 por 100 mil habitantes e a taxa padronizada europeia era de 353,53 por 100 mil. A taxa mundial padronizada encontrava-se nos 254,50 por 100 mil habitantes.

O cancro atingiu mais homens, sendo o mais frequente o da próstata, o do cólon e o da traqueia, brônquios e pulmão. Nas mulheres, houve uma maior incidência no cancro da mama, do cólon e da pele.

No ano seguinte, ocorreram 24.327 novos casos de cancro. A taxa bruta de tumores malignos foi de 497, 66 por 100 mil habitantes. Nesse ano, a taxa padronizada europeia era de 355,99 por 100 mil, enquanto a taxa padronizada mundial situava-se nos 256,69 por 100 mil habitantes.

Os cancros com maior incidência foram os mesmos que no ano anterior, tendo os três registado um aumento do número de casos.

Os dados do ROR-Sul indicam que, em 2010, o cancro do cólon matou 1.369 pessoas por 100 mil habitantes. No ano seguinte, o número reduziu para 1.335 mortes por 100 mil habitantes. O número de mortes nos homens foi superior ao das mulheres nos dois anos analisados.

LUSA/SO

 

Msd - banner_final

ler mais

RECENTES

ler mais