[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Text” background_layout=”light” text_orientation=”center” text_font_size=”26″ use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” […]

Gordura abdominal,
a mais perigosa!

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Text” background_layout=”light” text_orientation=”center” text_font_size=”26″ use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” text_font=”|on|||” text_text_color=”#000000″]

Gordura abdominal, a mais perigosa!

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on” custom_css_main_1=”position: relative;||”][et_pb_column type=”1_4″][et_pb_team_member admin_label=”Dados do Médico” name=”Alexandra Freitas” position=”Diretora Técnica da AMPLIPHAR – Produtos Farmacêuticos, Lda.” image_url=”https://saudeonline.pt/wp-content/uploads/2017/11/Alexandra-Freitas.jpg” animation=”off” background_layout=”light” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” module_class=”ds-thumbnail-blog-red” header_font=”|on|||” header_font_size=”16″ custom_css_member_image=”-webkit-clip-path: circle(50% at 50% 50%);||clip-path: circle(50% at 50% 50%);||”] [/et_pb_team_member][/et_pb_column][et_pb_column type=”3_4″][et_pb_text admin_label=”Corpo do texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

A deposição de gordura na região abdominal caracteriza a obesidade abdominal, que tem vindo a ser mais relacionada com fatores de risco cardiovascular e diabetes tipo 2 do que a gordura total ou o valor do índice de massa corporal.  

A distribuição da gordura corporal é tão importante quanto a gravidade da obesidade.

Estão descritos dois tipos de distribuição de gordura corporal: o ginecoide, com deposição de gordura na região glúteo-femoral (forma de pera) e o androide, ou tipo masculino, caracterizado pela deposição de gordura na região central, com perímetro abdominal aumentado (forma de maçã).

Homens e mulheres são diferentes no que respeita à acumulação de gordura. No entanto, cada vez mais as mulheres se deparam com este problema de acumulação abdominal de gordura (forma de maçã).

Meça o seu perímetro abdominal

Atualmente sabe-se que há uma relação direta entre a gordura visceral e o desenvolvimento de múltiplos distúrbios metabólicos, incluindo hipertensão, dislipidemias, resistência à insulina, diabetes e síndrome metabólico.

A síndrome metabólica descreve o conjunto de três ou mais das seguintes complicações frequentemente presentes no indivíduo obeso: perímetro abdominal superior a 102 cm nos homens e 88 cm nas mulheres, hipertensão, hiperglicemia e dislipidemia (elevadas concentrações de triglicerídeos no sangue e baixas concentrações de HDL).

A gordura abdominal extra indica gordura excessiva dentro e ao redor dos órgãos internos, o que a torna mais perigosa para a saúde do que a gordura mais superficial. A circunferência da cintura é o método comumente utilizado para avaliar a adiposidade visceral, que não deve ultrapassar 94 cm no homem e 80 cm na mulher.

Vários trabalhos assinalam a ligação direta entre a inflamação do tecido adiposo e a obesidade, especialmente a acumulação de gordura à volta da cintura.

 

Betaglucanos podem ajudar

 

Os betaglucanos são polímeros de glucose encontrados nas paredes celulares de bactérias, fungos, leveduras, algas, líquenes e alguns cereais. Na última década, estes polissacarídeos têm vindo a receber especial atenção pela sua bioatividade, principalmente no que se refere à imunomodulação.

Os betaglucanos podem ajudar a combater a inflamação no tecido adiposo, que distorce o metabolismo e causa acumulação de gordura à volta da cintura. Adicionalmente, os betaglucanos podem contribuir para a normalização dos níveis de açúcar no sangue e para a diminuição dos níveis de colesterol e triglicerídeos.

 

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]
ler mais

RECENTES

ler mais