[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” […]

Gestação de substituição: será que estamos preparados?

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” comments=”off” featured_image=”off” featured_placement=”above” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”center” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” title_all_caps=”off” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_css_post_image=”float: left;|| width: 180px;|| height:190px;|| object-fit: cover;|| margin-top: 30px;|| margin-right: 30px;|| margin-bottom: 10px;|| margin-left: 0;|| max-width: 180px;|| border: 3px solid #999999;|| border-radius: 150px;|| -webkit-filter: grayscale(100%);|| filter: grayscale(100%);” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)”] [/et_pb_post_title][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on” custom_css_main_1=”position: relative;||”][et_pb_column type=”1_4″][et_pb_team_member admin_label=”Dados do Médico” name=”Joana Silveira Botelho” position=”Advogada” image_url=”https://saudeonline.pt/wp-content/uploads/2017/08/Joana-Silveira-Botelho.jpg” animation=”off” background_layout=”light” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” module_class=”ds-thumbnail-blog-red” header_font=”|on|||” header_font_size=”16″ custom_css_member_image=”-webkit-clip-path: circle(50% at 50% 50%);||clip-path: circle(50% at 50% 50%);||”]

Responsável pelo departamento de Direito da Saúde da Cuatrecasas

[/et_pb_team_member][/et_pb_column][et_pb_column type=”3_4″][et_pb_text admin_label=”Corpo do texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

Há cerca de 1 ano foi aprovada a lei que introduziu o acesso, em Portugal, à gestação de substituição. Apesar de ter sido este o marco histórico, i.e., o dia 22 de Agosto de 2016, data da publicação da Lei 25/2016, só a partir do passado dia 2 de Agosto é que passou a ser efectivamente possível o recurso a esta figura.

Com efeito, a entrada em vigor da gestação de substituição estava pendente da publicação da respectiva regulamentação, tendo por esse motivo ficado adiada até à publicação do Decreto Regulamentar n.º 6/2017, de 31 de Julho. 

Cumpre, antes de mais, salientar que o tema da gestação de substituição é talvez um dos que suscita mais dúvidas a nível ético e jurídico. No entanto, delineados os princípios fundamentais do recurso à gestação de substituição através da Lei 25/2016 que o veio permitir em casos absolutamente excepcionais (ausência de útero, de lesão ou doença deste órgão que impeça de forma a absoluta e definitiva a gravidez), não cabia ao ora publicado Decreto-Regulamentar vir definir novas regras para esta complexa situação (ainda que alguns esperassem que tal viesse a suceder). Face ao exposto, importa agora olhar para este novo diploma para perceber de que forma é que afinal é possível recorrer à gestação de substituição.

As novas regras vieram essencial e resumidamente estabelecer o processo de autorização prévia por parte do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida (CNMPA) e o tipo de cláusulas a incluir no contrato de gestação de substituição.

Com efeito, são estabelecidas as cláusulas que devem constar do contrato, sem contudo se pronunciar sobre o que deve efectivamente ser acordado entre as partes. Ou seja, nos termos do Regulamento é obrigatório que esse contrato inclua cláusulas sobre as disposições a observar em caso de interrupção voluntária da gravidez, ou em caso de intercorrências de saúde ocorridas durante a gestação, revogação do consentimento, a revogação do consentimento e cessação do contrato, mas sem nunca se dar “as soluções”.

Importa por isso apurar quem, da CNPMA ou dos centros de procriação medicamentos assistida, é que se vai afinal responsabilizar e incumbir por um efectivo acompanhamento das pessoas que tomam uma decisão deste tipo? Quem vai explicar e informar os seus intervenientes, ao longo de todo o processo, e este não se inicia apenas com a submissão do pedido junto do CNPMA e finda com a respectiva decisão, mas sim desde a submissão do pedido, à gravidez, parto e infância e crescimento da criança?

Discussões éticas à parte e mesmo que tal não se encontre devidamente reflectido na actual regulamentação, o que importa agora é prestar um aconselhamento efectivo aos intervenientes na gestação de substituição em todas as suas fases e vertentes deste processo, incluindo a grávida, o casal beneficiário e a criança.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]
ler mais

RECENTES

ler mais