18 Set, 2017

Demência é diagnosticada a cada três segundos em todo o mundo

A cada três segundos há uma pessoa no mundo com diagnóstico de demência, um problema que atinge 50 milhões de pessoas e que se estima que quase triplique em 2050

Os dados constam do relatório mundial sobre a doença de alzheimer de 2016 e são destacados, no âmbito da cimeira internacional sobre a doença que decorre esta semana na Fundação Champalimaud, pelo presidente da Alzheimer Portugal, José Carreira.

As demências podem atingir 75,6 milhões de pessoas em 2030 e em 2050 chegar a mais de 130 milhões. A doença de alzheimer estima-se que represente entre 60 a 70% de todos os casos.

José Carreira diz que os dados sobre a doença em Portugal oscilam e são apenas estimativas, mas apontam para mais de 180 mil pessoas com demências, 150 mil delas com Alzheimer, a forma de demência mais prevalente.

Muitos dos casos de demência são sub-diagnosticados, uma realidade que afeta vários países desenvolvidos, estimando-se que quase metade dos casos possa não estar identificada.

“Um dos grandes problemas é a inexistência de diagnóstico ou o diagnóstico tardio. Duas a cada três pessoas sentem ainda que há pouca informação sobre demências”, alerta o presidente da Alzheimer Portugal.

Para a Associação Portuguesa de Familiares e Amigos dos Doentes de Alzheimer, a preocupação central em Portugal é ter um plano e uma estratégia nacional “com um envelope financeiro”.

“Sem financiamento torna-se difícil fazer alguma coisa no Serviço Nacional de Saúde ou no mundo associativo”, frisa, indicando que Portugal é dos poucos países da União Europeia sem uma estratégia nacional definida nesta área.

Um plano e uma estratégia devem contemplar não só os cuidados a prestar às pessoas com demência como também aos seus cuidadores, incluindo os apoios a quem cuida e às organizações que atuam nesta área.

As demências envolvem recursos financeiros elevados, refere José Carreira. De acordo com estimativas internacionais, se a demência fosse um país seria a 18.ª economia do mundo em termos orçamentais com o que se estima que serão os encargos até 2050 dos serviços nacionais de saúde e dos sistemas de proteção social.

Mais de 80 especialistas mundiais em doenças neurodegenerativas mundiais vão estar esta semana na Fundação Champalimaud, em Lisboa, a debater a doença de Alzheimer.

O encontro tem como objetivo discutir e partilhar os recentes progressos em duas áreas: a da intervenção terapêutica e a área de investigação.

LUSA/SO/SF

Gedeon Richter

 

ler mais

RECENTES

ler mais