15 Mar, 2017

Custo com medicamentos para diabetes mais do que triplica numa década

O relatório do Observatório Nacional da Diabetes aponta para um aumento de 269%, sendo que também existe um crescimento significativo do consumo de medicamentos para a diabetes, mas inferior à subida dos custos

Os custos com medicamentos para a diabetes mais do que triplicaram em 10 anos, sendo que o aumento dos encargos tem sido bem superior ao crescimento efetivo do consumo, segundo o relatório do Observatório Nacional da Diabetes.

O documento, que é hoje apresentado, aponta para um aumento dos custos de 269% num período de 10 anos, sendo que também existe um crescimento significativo do consumo de medicamentos para a diabetes – tal como acontece em toda a Europa -, mas inferior à subida dos custos.

Entre 2006 e 2015, os encargos do Serviço Nacional de Saúde e dos utentes com vendas em ambulatório de insulinas e antidiabéticos não insulínicos aumentaram 269%.

“O crescimento dos custos dos medicamentos da diabetes tem assumido uma especial preponderância e relevância (mais 269%) face ao crescimento efetivo do consumo, quantificado em número de embalagens vendidas (mais 66%)”, refere o relatório do Observatório Nacional da Diabetes.

O aumento dos custos e das vendas explicam-se porque, além do aumento da prevalência da doença, subiu o número e a proporção de pessoas tratadas, bem como as dosagens médias utilizadas nos tratamentos.

Em 2015, 6,7% da população portuguesa recebiam tratamento de antidiabéticos não insulínicos (ADNI) e insulinas.

Os utentes do SNS têm encargos diretos de 22 milhões de euros com o consumo de ADNI e de insulinas, o que representa 8,4% dos custos do mercado de ambulatório com estes medicamentos no último ano.

Por seu lado, e ao contrário do registado na última década, “em 2015, os genéricos de medicamentos para a diabetes perderam relevância em termos do volume de vendas, medido em número de embalagens”.

Em termos de valor, o mercado de genéricos de medicamentos para a diabetes mantém um papel relativamente residual na despesa com medicamentos. As vendas de tiras-teste de glicemia (sangue), em número de embalagens, têm registado um crescimento muito significativo ao longo da última década: mais 70% entre 2006 e 2015.

“O mercado de ambulatório do SNS em 2015 representava um valor global de vendas de 52,6 milhões de euros, o que corresponde a uma despesa para o SNS de 44,7 milhões de euros”, um valor que representa um aumento de 3,4% do valor do mercado de tiras-teste e um crescimento de 3,8% dos encargos do SNS com estes produtos comparativamente ao anterior.

LUSA/SO

 

Msd - banner_final

ler mais

RECENTES

ler mais