20 Dez, 2017

Consórcio do Porto candidata-se a associação europeia de investigação de cancro

Um consórcio criado pelo Instituto Português de Oncologia do Porto (IPO-Porto) e pelo Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da UPorto (i3S) candidatou-se para integrar o Cancer Core Europe, uma associação dedicada à investigação do cancro.

Segundo um comunicado hoje divulgado, esta candidatura é um dos dados que serão anunciados na quinta-feira, no i3S, durante a apresentação do relatório de atividades do Porto.Comprehensive Cancer Centre (Porto.CCC), que resulta de uma parceria entre aquele instituto de saúde e o IPO-Porto.

Em declarações à Lusa, o presidente do Conselho de Administração do IPO-Porto, Laranja Pontes, avançou que a decisão sobre a candidatura para integração do Porto.CCC na associação Cancer Core Europe será divulgada no segundo semestre de 2018.

De acordo com o responsável, esta integração poderá levar à atribuição de fundos para investigações na área do cancro e à partilha de ideias, metodologias e boas práticas com as seis instituições que já integram a associação.

“O Porto.CCC é um prestador de cuidados de saúde de grande volume, que tem integrado no tratamento a componente de investigação clínica, translacional e básica, num padrão muito elevado”, indicou Laranja Pontes.

No período de um ano, o consórcio produziu 380 trabalhos científicos, publicados em revistas internacionais de Oncologia, e participou em 120 ensaios clínicos (alguns na área da imuno-oncologia).

“Conseguimos ter cada vez mais a confiança das entidades que fazem investigação clínica, somos contactados para ensaios de fase muito inicial, que são os mais interessantes do ponto de vista científico e mesmo de prestação de serviços e acesso a medicamentos inovadores”, acrescentou o presidente do Conselho de Administração do IPO-Porto.

Segundo contou, a decisão de construir o Porto.CCC assumiu-se “como um passo estratégico num universo europeu, e mundial até, extremamente competitivo”.

O i3S e o IPO-Porto “não são competidores em nada, completamo-nos. Sozinhos não somos capazes de fazer tudo”, sublinhou, acrescentando que juntos são “mais fortes e muito mais competitivos” e representam “o que de melhor se faz em oncologia em Portugal”.

Sobrinho Simões, diretor do Ipatimup e membro da Comissão diretiva do i3S, referido na nota informativa, considera que o IPO-Porto “é muito bom” nos cancros da próstata, bexiga, rim e linfomas, enquanto o Ipatimup, e agora o i3S, é uma “referência mundial” nos cancros do estômago e da tireóide e outros órgãos endócrinos e neuroendocrinos.

Além disso, partilham “créditos nos cancros colorretal e de mama”, sendo, por isso, “uma parceria que faz todo o sentido”, acrescentou.

O consórcio foi convidado a integrar a Rede Europeia de Referência (RER) Genturis, que visa melhorar a assistência e os cuidados de saúde prestados aos doentes e às famílias com síndromes hereditários raros ligados ao cancro, através de investigação colaborativa entre parceiros nacionais e europeus.

A Genturis conta com a participação da investigadora Carla Oliveira, do i3S, da patologista Fátima Carneiro, do Centro Hospitalar São João, e do investigador Manuel Teixeira, do IPO-Porto.

O Porto.CCC pretende organizar uma conferência internacional – “1st Gago Conference” – dedicada à investigação do cancro na Europa, que contará com a presença do Comissário Europeu Carlos Moedas e de mais de uma dezena de especialistas mundiais na área do cancro, com data prevista para 14 de fevereiro de 2018.

LUSA/SO

ler mais

RECENTES

ler mais