16 Jan, 2017

Consórcio de Coimbra quer universidades seniores no envelhecimento saudável

O consórcio ageing@coimbra, criado há quatro anos, quer envolver as universidades seniores e outras instituições sociais em projetos na área do envelhecimento ativo e saudável na região Centro

O coordenador científico do consórcio, João Malva, realça à agência Lusa o “contributo muito importante dos cidadãos e associações cívicas” no desenvolvimento dessas iniciativas.

“Para a transferência de tecnologia e para o desenvolvimento de boas práticas, é necessário envolver os cidadãos”, defende.

Também as associações de doentes e seus familiares “devem ser parceiros ativos nesta missão”, sendo “importante envolver jovens e menos jovens na criação” de novos produtos e serviços para a saúde e o envelhecimento ativo.

O investigador da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (UC) considera ainda necessário valorizar o trabalho “das universidades seniores, que promovem o envelhecimento ativo e saudável e a inclusão social dos cidadãos, evitam o isolamento e oferecem oportunidades para a aprendizagem ao longo da vida”, aproveitando melhor o saber e a disponibilidade dos reformados.

Desde que o Centro de Portugal foi reconhecido pela Comissão Europeia, em 2013, como “região europeia de referência” para o envelhecimento ativo e saudável, o ageing@coimbra “cresceu muito significativamente a nível regional” e tem registado a adesão de novos membros.

Em dezembro, a UC esteve representada, em Bruxelas, na Bélgica, numa cerimónia em que foi reclassificado o estatuto da região, “passando de duas para três estrelas”, acentua.

Fundado em janeiro de 2013, o ageing@coimbrae tem como coordenador estratégico a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), presidida por Ana Abrunhosa, e reúne entidades públicas e privadas que apostam nas condições da região para influenciar as boas práticas ao nível do envelhecimento ativo na Europa.

“O consórcio possui uma matriz única, baseada no triângulo do conhecimento que valoriza as ideias, os produtos e os serviços com impacto no mercado: investigação científica, ensino avançado e transferência desse conhecimento para o setor social e a área da saúde”, acrescenta o responsável.

João Malva salienta que o ageing@coimbra “tem sido uma força motriz neste desenvolvimento de redes na região e na Europa”.

Para a presidente da CCDRC, o envelhecimento ativo e saudável é “uma área onde os municípios da região têm revelado também grande dinamismo e grande vontade de se envolverem cada vez mais”.

O Programa Operacional Centro 2020 “tem apoiado um conjunto de projetos de investigação e desenvolvimento nas áreas da investigação de doenças neurológicas, por exemplo, as doenças com mais incidência nos mais velhos”, declara Ana Abrunhosa à Lusa.

“Um dos resultados importantes de sermos região de referência no envelhecimento ativo e saudável foi o convite para sermos o representante europeu no M8 Alliance para as questões do envelhecimento ativo e saudável”, conclui.

A Aliança M8 tem como missão principal a melhoria da saúde a nível global e integra membros de diferentes países do mundo, incluindo hospitais e universidades.

LUSA/SO

 

ler mais

RECENTES

ler mais