22 Set, 2017

Código de avaliação da dor através de imagens facilita comunicação médico-doente

Um novo código de avaliação da dor que recorre a imagens de alfinetes, choques elétricos ou queimaduras foi criado para facilitar a comunicação entre médico e paciente

“O novo código visual da dor é uma ferramenta de cariz artístico, facilitadora da comunicação entre médico e doente”, afirmou a presidente da Associação Portuguesa para o Estudo da Dor, Ana Pedro. De acordo com a responsável, “o código visual permitirá auxiliar a interpretação da dor pelo doente, contribuindo para a melhoria dos cuidados de saúde prestados aos doentes com dor crónica em Portugal”.

Esta ferramenta, assim como um site sobre a dor, será apresentada sábado, dia 23, em Lisboa e pretende representar alguns descritores de dor através de 12 imagens: ferro em brasa, formigueiro, frio gelado, beliscão no nervo, rastejar sobre a pele, facada, choque elétrico, alfinetes, espasmo agudo, dor perfurante, arame farpado e queimadura.

“Nem sempre é fácil o doente exprimir a sua dor, o que pode ser uma barreira para o médico na compreensão da doença e no diagnóstico final. Esta nova ferramenta visual é, sem dúvida, uma mais-valia para os doentes e também para nós médicos, que tentamos diariamente compreender e avaliar corretamente a sua dor”, salientou a médica.

O código visual da dor conta com o apoio da Associação Portuguesa para o Estudo da Dor, da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, e das sociedades de Anestesiologia, Oncologia, Medicina Física e Reabilitação, Medicina Interna, Ortopedia e Traumatologia e Reumatologia. Segundo a Associação Portuguesa para o Estudo da Dor, os custos com a dor crónica em Portugal ascendem aos 4.610 milhões de euros, o que corresponde a 2,7% do PIB nacional. Os gastos com a dor são superiores ao somatório dos gastos com a obesidade, a diabetes, o álcool e o tabagismo, de acordo com dados da associação.

LUSA/SO/SF

 

ler mais

RECENTES

ler mais