CH Universitário do Porto: classificação no “Top 5” da IASIST é um estímulo à melhoria contínua

Estes ‘rankings' servem para "melhorar todos dos dias em todas as áreas e com a ajuda de todos os profissionais de saúde", afirma Paulo Barbosa, Diretor Clínico do CHUP

A classificação do Centro Hospitalar Universitário do Porto (CHUP) no “TOP 5 – A excelência dos hospitais portugueses”, um ranking de avaliação efetuado pela IASIST, uma multinacional de origem espanhola com quase duas décadas de existência, é um “estímulo à melhoria continua”, afirma o presidente do conselho de administração do CHUP, que integra os hospitais de Santo António, Maria Pia e Maternidade Júlio Diniz .

Em declarações à agência Lusa, Paulo Barbosa apontou ser “uma honra e um reconhecimento do trabalho” o facto de o CHUP constar do “ranking” da responsabilidade da IASIST, uma multinacional de origem espanhola, que pretende “premiar os hospitais públicos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) que apresentaram os melhores resultados clínicos ao longo do ano”, mas frisou que “isto não é um campeonato”, mas sim “uma responsabilidade.

“Reconhece o trabalho de todas as pessoas que colaboram e que todos os dias se esforçam para que tudo correr o melhor possível. Mas acima de tudo é um estímulo à melhoria continua. Isto tem de ser visto não como um campeonato de quem é o melhor mas sim como um estímulo para melhorarmos naquilo em que estamos menos bem e melhorarmos ainda mais no que estamos bem”, disse o presidente do CHUP, Paulo Barbosa.

O responsável acrescentou que o CHUP “tem ficado consecutivamente em primeiro lugar no top 3 de centros universitários”, sendo que a lista inclui seis hospitais e frisou que estes ‘rankings’ servem para “melhorar todos dos dias em todas as áreas e com a ajuda de todos os profissionais de saúde”.

Os centros hospitalares de Póvoa de Varzim/Vila do Conde, o do Porto, os hospitais de Cascais, Braga e a Unidade Local de Saúde de Matosinhos apresentaram os melhores resultados clínicos em 2015, segundo um “ranking” elaborado pela IASIST.

Para esta avaliação foram levados em conta indicadores “considerados essenciais para a avaliação dos resultados clínicos”, como a qualidade assistencial, a mortalidade, complicações e readmissões ajustadas ao risco e o índice de cesarianas.

Na eficiência, os indicadores selecionados foram os índices de demora média ajustado e de cirurgia ambulatória ajustado, o número de doentes-padrão por médico e por enfermeiro e os seus custos operacionais.

Foram nomeados para este Top 5, que conta com o patrocínio do ministro da Saúde, 15 hospitais, divididos por cinco grupos.

LUSA/RelatórioIASIST/SO

 

 

 

ler mais

RECENTES

ler mais