5 Abr, 2017

Cabo Verde vai acolher XIII Congresso Lusófono de Farmacêuticos em 2018

Cabo Verde vai acolher, em outubro de 2018, na cidade da Praia, o XIII Congresso da Associação de Farmacêuticos dos Países Lusófonos, o primeiro a ser organizado pela recém-criada Ordem dos Farmacêuticos cabo-verdianos

O anúncio foi feito pela bastonária da Ordem dos Farmacêuticos de Cabo Verde, Maria da Luz Leite, durante a abertura do I Encontro Luso-Cabo-Verdiano do Setor Farmacêutico, que decorreu ontem na capital cabo-verdiana.

Esta será a terceira vez que Cabo Verde acolhe o congresso lusófono, mas a primeira que este decorre sobre a égide da ordem cabo-verdiana de farmacêuticos, prestes a completar um ano de existência.

“Os congressos da Associação de Farmacêuticos de Países de Língua Portuguesa (AFPLP) têm vindo a assumir-se como um espaço privilegiado da comunidade farmacêutica lusófona destinado a promover a aproximação dos profissionais e das entidades que regulam a profissão, a intervenção do farmacêutico na saúde pública e o desenvolvimento da cooperação entre os países de língua portuguesa”, disse Maria da Luz Leite.

O encontro de ontem pretendeu promover uma reflexão sobre o exercício da profissão farmacêutica ao serviço da saúde pública e trocar experiências entre as duas organizações congéneres e os profissionais portugueses e cabo-verdianos.

Participam no encontro especialistas da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos Farmacêuticos – INFARMED, de Portugal, e da Agência de Regulação e Supervisão dos Produtos Farmacêuticos e Alimentares – ARFA, de Cabo Verde, além de membros e dirigentes das ordens profissionais dos farmacêuticos dos dois países.

Ana Paula Martins, bastonária da Ordem dos Farmacêuticos de Portugal, sublinhou, em declarações à imprensa, que são 30 anos de colaboração entre os farmacêuticos dos dois países, considerando que existe margem para o reforço dessa colaboração no futuro.

A responsável assinalou o percurso académico comum dos profissionais dos dois países, destacando a forte colaboração em matéria de formação universitária e pós-graduada.

Ana Paula Martins considerou que a criação da Ordem dos Farmacêuticos de Cabo Verde revela “condições para ir mais longe” nesta cooperação.

“Dá-lhe a possibilidade de, tal como a Ordem