12 Dez, 2017

Assembleia Municipal do Porto quer completar transferência do Infarmed

O Partido Socialista Democrático apresentou uma moção que assenta na efetiva descentralização dos serviços do Estado, aprovada pela maioria, ontem à noite.

A Assembleia Municipal de Porto quer que a transferência do Infarmed de Lisboa para o Porto “seja completa” e não limitada a um “par de serviços” e a um “faz de conta”.

Numa moção apresentada pelo PSD, que assenta na efetiva descentralização dos serviços do Estado, aprovada pela maioria, na segunda-feira à noite, os deputados municipais defenderam uma “mudança completa” do Infarmed, lembrando que há quatro instituições cuja sede é no Porto, mas não operam na cidade.

Por isso, os eleitos querem que estas instituições sediadas no Porto alterem o modelo de gestão e que a cidade e outras municípios do país reclamem a descentralização de outras instituições, caso tenham condições para as acolher.

O anúncio de que a sede da Autoridade Nacional do Medicamento – Infarmed sairia de Lisboa para o Porto foi feito em novembro pelo ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, durante uma conferência em Lisboa, tendo apanhado de surpresa os trabalhadores da instituição. A esmagadora maioria dos funcionários manifestou já que não está disposta a ir para o Porto.

Na segunda-feira à tarde, numa reunião com o ministro da Saúde, a comissão de trabalhadores do Infarmed lamentou não ter um representante no grupo de especialistas, que vai avaliar a transferência da instituição para o Porto.

“Uma das coisas que lamentámos junto do ministro [da Saúde, Adalberto Campos Fernandes] foi o facto de a comissão de trabalhadores não estar incluída neste grupo de trabalho. Nós dissemos que era fundamental a comissão de trabalhadores estar representada. Mas, mais uma vez, fomos colocados à parte”, declarou à Lusa o presidente da Comissão de Trabalhadores (CT) do Infarmed, Rui Spínola.

LUSA/SO

ler mais

RECENTES

ler mais