Um novo exame de sangue em desenvolvimento mostrou capacidade de rastrear vários tipos de cancro com um alto grau de precisão. Os investigadores do Instituto de Cancro Dana-Farber, em Boston, apresentam os resultados do ensaio multicêntrico durante uma sessão do Congresso da Sociedade Europeia de Oncologia Médica (ESMO) 2019.

O teste, desenvolvido pela GRAIL, Inc., usa a tecnologia de sequenciamento de última geração para analisar o DNA em busca de pequenas etiquetas químicas (metilação) que influenciam se os genes são ativos ou inativos. Quando aplicado a quase 3.600 amostras de sangue – algumas de pacientes com cancro, outras de pessoas que não foram diagnosticadas com cancro no momento da coleta de sangue – o teste captou com sucesso um sinal de cancro nas amostras de pacientes com cancro e identificou corretamente o tecido de onde o cancro começou (o tecido de origem).

A especificidade do teste – a sua capacidade de gerar um resultado positivo apenas quando o cancro está realmente presente – foi alta, assim como sua capacidade de identificar o órgão ou tecido de origem.

O novo teste procura pelo DNA que células cancerígenas lançam na corrente sanguínea quando morrem. Ao contrário das “biópsias líquidas”, que detectam mutações genéticas ou outras alterações cancerígenas no DNA, este teste foca-se nas modificações do DNA conhecidas como methyl groups – unidades químicas que podem ser ligadas ao DNA para controlar que genes estão “ativados” e “desativados”. Os padrões anormais de metilação são, em muitos casos, mais indicativos de cancro – e que tipo de cancro – do que as mutações.

O novo teste concentra-se em partes do genoma, onde padrões anormais de metilação são encontrados nas células cancerígenas.

“O Nosso trabalho anterior indicou que os ensaios baseados em metilação superam as abordagens tradicionais de sequenciamento de DNA”, disse o principal autor do estudo, Geoffrey Oxnard. “Os resultados do novo estudo demonstram que esses ensaios são uma maneira viável de rastrear as pessoas em busca de cancro”.

As amostras de pacientes compreenderam mais de 20 tipos de cancro, incluindo mama com receptor hormonal negativo, colorretal, esófago, vesícula biliar, gástrica, cabeça e pescoço, pulmão, leucemia linfóide, mieloma múltiplo, ovário e cancro do pâncreas.

A especificidade geral foi de 99,4%. A sensibilidade do ensaio para a detecção de um cancro pré-especificado de alta mortalidade (a percentagem de amostras de sangue desses pacientes que deram positivo para cancro) foi de 76%. Dentro deste grupo, a sensibilidade foi de 32% para pacientes em estadio I; 76% para aqueles com estadio II; 85% para o estadio III; e 93% para o estágio IV.

Detectar até mesmo uma percentagem modesta dos cancro comuns mais cedo pode se traduzir em muitos pacientes que podem receber tratamento mais eficaz se o teste for amplamente utilizado, observou Oxnard.

TC/SO

ler mais