Sylvia Kehlenbrink é médica e tem trabalhado em algumas das regiões mais pobres do planeta. Foi lá, que, confessa, se começou a apaixonar por diabetes e crises humanitárias. Tudo acontece, relata ao Medscape, quando passou um mês praticando medicina geral num pequeno hospital distrital próximo à fronteira entre o Congo e o Ruanda. “Tivemos muitos refugiados vindos do Congo naquela época, inclusive vários jovens que estavam claramente em cetoacidose diabética”, recorda.

“Como não tínhamos faixas de insulina ou glicose para monitorizá-los, todos eles morreram poucas horas depois de serem admitidos na urgência. Nenhum deles sobreviveu. Aqueles com diabetes tipo 2 continuaram a ser readmitidos no hospital porque não fomos capazes de gerir a sua hiperglicemia, apesar de sermos capazes de gerir as suas infecções ou traumatismos”.

“Esta experiência levou-me a dedicar a minha carreira a esta questão. Hoje, cerca de meio bilhão de pessoas em todo o mundo são afetadas pela diabetes, 80% das quais vivem em países de baixa e média rendimento. Projecta-se que a situação se vai agravar nos próximos 20 anos como resultado da urbanização, da mudança climática, do aquecimento global, etc., de modo que a crise se irá agravar ainda mais”.

Ao mesmo tempo, os países com médios e baixos recursos são predominantemente e desproporcionalmente afetados por crises humanitárias. A maioria das pessoas deslocadas devido a conflitos passa décadas como refugiados ou pessoas deslocadas internamente. A duração média desse deslocamento induzido por conflitos é de 27 anos, e essas pessoas têm diabetes. Como resultado, os agentes humanitários estão agora a ter de assumir papéis mais amplos.

Apesar de conhecido o problema, os dados que permitem monitorizar a evolução não estão a ser recolhidos. Não há diretrizes baseadas em evidências sobre como gerenciar melhor o diabetes nessas circunstâncias, e não há educação. Os medicamentos, incluindo a insulina, não são habitualmente fornecidos nestes contextos, o que constitui uma sentença de morte para qualquer pessoa com diabetes de tipo 1.

MMM/Medscape

ler mais