Esta doença é a segunda causa de internamento hospitalar em Portugal, entre as doenças respiratórias.

A GSK, assumindo o seu compromisso de há mais de 50 anos de inovação na área respiratória, lança em Portugal Trelegy Ellipta[iii] (furoato de fluticasona/umeclidínio/vilanterol, FF/UMEC/VI), a primeira terapêutica tripla de inalação única diária, num único dispositivo, para pessoas com DPOC.

No seguimento da Autorização de Introdução no Mercado (AIM) emitida pela Agência Europeia do Medicamento (EMA), em novembro de 2017, e a posterior aprovação por parte do Ministério da Saúde, esta alternativa terapêutica passa agora a estar ao dispor dos profissionais de saúde portugueses.

Trelegy Ellipta foi aprovado em 2017 a nível europeu, com indicação para o tratamento de manutenção de doentes adultos com DPOC moderada a grave, não controlados de forma adequada por via da combinação de corticóide inalado e de um agonista β2 de ação prolongada. Em novembro de 2018, a Comissão Europeia decidiu ampliar a sua indicação terapêutica, passando a considerar todos os doentes com DPOC moderada a grave que não estejam adequadamente controlados com recurso a dupla terapêutica inalada.

Trelegy Ellipta chega a Portugal suportado por três ensaios clínicos desenvolvidos em doentes de estadio avançado da patologia. Para este perfil de doente de DPOC, os resultados indicam que esta terapêutica inovadora promove uma melhoria da função pulmonar, com impacto positivo na qualidade de vida e, simultaneamente, diminuição da probabilidade de exacerbações. Trelegy Ellipta apresenta vantagens do ponto de vista da comodidade do doente, contribuindo para uma maior probabilidade de cumprimento e adesão à terapêutica”, considera Rosana Cajal, Diretora Médica da GSK Portugal.

O estudo IMPACT foi um dos maiores estudos levados a cabo na área da DPOC, no qual participaram um total de 10.355 doentes de todo o mundo. De acordo com os resultados do estudo, Trelegy Ellipta é superior a duas combinações fixas de tratamento (FF/VI e UMEC/VI) na redução da taxa anual de exacerbações (episódios de agravamento agudo dos sintomas respiratórios) moderadas a graves, durante o período de tratamento. O estudo IMPACT também revelou uma redução de 34% na taxa de hospitalizações, devido a exacerbações graves, nos doentes com DPOC tratados com Trelegy Ellipta, comparativamente ao grupo de doentes com UMEC/VI.

O estudo IMPACT foi pioneiro na avaliação da eficácia e segurança de uma terapêutica tripla, num único dispostivo, comparativamente a outras terapêuticas duplas. Os resultados revelam que Trelegy Ellipta é superior na redução das exacerbações versus os seus comparadores”, defende a Professora Marta Drummond, Pneumologista.

[iii] European Medicines Agency. Trelegy Ellipta – Resumo das Características do Medicamento. Acedido em: https://ec.europa.eu/health/documents/community-register/2017/20171115139039/anx_139039_pt.pdf

ler mais