A bioMérieux, companhia que disponibiliza soluções de diagnóstico in vitro para melhorar a saúde pública e garantir a segurança dos consumidores, lançou uma nova solução tecnológica que permite o diagnóstico rápido da pneumonia em aproximadamente uma hora.

Esta nova tecnologia representa um importante avanço face aos métodos convencionais usados para o diagnóstico microbiológico, dado que, atualmente, a deteção da pneumonia requer um tempo de espera entre 24 a 48 horas. Graças a esta nova solução, os profissionais de saúde podem obter um diagnóstico preciso do patógeno, que provoca a doença, por forma a otimizar o tratamento do doente.

O Painel Sindrómico permite identificar até 27 microrganismos (vírus e bactérias) diferentes que causam a doença e deteta sete marcadores genéticos de resistência antimicrobiana. Disponível desde o dia 1 de abril de 2019, este painel está já a ser utilizado pelos hospitais Portugueses.

O diagnóstico da causa exata da pneumonia só é identificado em cerca de 30% dos casos na prática clínica atual. Este painel aumenta essa possibilidade em aproximadamente dois terços, o que permite o melhor ajuste do tratamento, a escolha do antibiótico correto e a possibilidade de reduzi-lo evitando a toma excessiva e inadequada”, afirma Catarina Chaves, patologista clínica do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, CHUC.

A introdução do painel no nosso hospital permite-nos diagnósticos mais rápidos, conhecer rapidamente a causa da doença e reconhecer que alguns tipos de pneumonia são mais importantes do que pensávamos, assim como a causa viral da pneumonia adquirida em ambiente hospitalar”, reforça a especialista.

A rapidez do diagnóstico microbiológico permite prevenir a transmissão da infeção bacteriana e/ou viral, aspeto-chave para tratar a doença com mais eficiência e para a redução dos encargos hospitalares, já que o tempo de internamento hospitalar e o número de exames complementares seriam mais reduzidos. “As vantagens deste painel vão além de realizar um diagnóstico rápido. Diria que o mais importante está relacionado com a gestão da doença. Obter o tratamento adequado para um doente com uma infeção grave, como a pneumonia, aumenta a eficácia do tratamento e diminui a taxa de mortalidade e os internamentos hospitalares”, acrescenta.

A pneumonia é uma doença inflamatória que afeta o sistema respiratório causada por diferentes vírus e bactérias, sendo estas últimas as mais difíceis de tratar. Streptococcus pneumoniae é a causa mais comum de pneumonia bacteriana, seguida de Haemophilus influenzae tipo b (Hib). Algumas bactérias são resistentes a certos antibióticos, fazendo com que o tratamento seja inútil, pelo que a deteção de genes de resistência pode contribuir para melhorar ainda mais o diagnóstico e o tratamento da doença.

Detetar a causa microbiológica da pneumonia é difícil com as técnicas microbiológicas usadas atualmente, isto porque existe uma alta probabilidade de não se detetar o agente responsável. Os sintomas comuns (falta de ar, fraqueza, febre alta, tosse e fadiga) são semelhantes aos de outras doenças, por isso é comum um diagnóstico impreciso e, consequentemente, a aplicação de antibióticos inadequados, que pode levar a sérias complicações na saúde. Um diagnóstico microbiológico correto é essencial para ajudar o profissional de saúde a tratar o doente da melhor forma possível.

As infeções respiratórias do trato respiratório inferior, na qual a pneumonia está incluída, são a terceira causa de mortalidade em todo o mundo. Só em 2016 provocou mais de 3 milhões de mortes em todo o mundo. Entre a população mais vulnerável encontram-se indivíduos com idades superiores a 65 anos, crianças e pessoas com doenças respiratórias como asma ou doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC), além dos imunodeprimidos.

ler mais