De acordo com a investigação publicada na revista científica Circulation, a população que é diagnosticada antes dos 40 anos com Diabetes do Tipo 2 tem maiores probabilidades de sofrer um ataque cardíaco, derrame cerebral, fibrilação atrial e morrer precocemente.

“O nosso estudo mostra que as diferenças no risco acrescido de doenças cardiovasculares na Diabetes Tipo 2 estão associadas à idade na qual é realizada o diagnóstico”, esclareceu Naveed Sattar, investigador da Universidade de Glasgow e principal autor do estudo, num comunicado à imprensa.

A obesidade ou excesso de peso é, segundo os cientistas, o fator determinante no aumento do número de jovens adultos com este tipo de Diabetes.

Nas mulheres existe uma maior incidência de doenças cardíacas que resultam do quadro da Diabetes do que nos homens. Além disso, de acordo com o Office of Women’s Health, têm menores taxas de sobrevivência e o tratamento recebido é de pior qualidade.

Quanto maior for a idade da pessoa diagnosticada, menos hipóteses tem de sofrer de doenças cardiovasculares.

Estas conclusões sugerem que precisamos ser mais agressivos no controlo dos fatores de risco dos jovens diabéticos do tipo 2 e, especialmente, em mulheres“, afirmou Sattar.

“Assim, seria necessário muito menos esforço e recursos, que poderiam ser gastos a monitorizar pessoas com 80 ou mais anos de idade, a menos que os sintomas estejam presentes. Além disso, o nosso trabalho também poderia ser usado para encorajar pessoas de meia-idade com risco elevado de diabetes a adotar mudanças no estilo de vida“, conclui o autor do estudo.

Erica Quaresma

ler mais