Com um público-alvo muito heterogéneo, realizam-se a partir desta quinta-feira, no Sesimbra Hotel, as Jornadas Regionais Monotemáticas de Infecciologia. No painel de evento estão médicos “psiquiatras, endocrinologistas, ginecologistas, obstetras, pediatras, internistas, infeciologistas”. Uma multiplicidade de especialidades que ajudam a ter uma visão global do problema das doenças infeciosas na adolescência (o tema da edição deste ano) e que vão levar a Sesimbra clínicos de várias áreas.

O presidente das Jornadas, o Doutor José Poças, explica que “a problemática da prestação de cuidados de saúde nesta fase etária reveste-se de particularidades únicas” no campo das infeções. Um dos maiores desafios é a transição do doente do pediatra para o especialista de adultos. “Transitar depois de terem sido acompanhados por um médico durante muitos anos é muito complicado”, diz o especialista, em declarações ao SaúdeOnline.

O começo da adolescência é um período especialmente sensível para os jovens, nomeadamente no que diz respeito à descoberta da sexualidade. Muitos pais não abordam o tema com os filhos, o que potencia o acumular de dúvidas e receios. Sem o conhecimento suficiente dos perigos, as consequências de uma relação sexual desprotegida podem pesar (e muito) no futuro.

“Há doenças graves que afetam os adolescentes que são esquecidas. É suposto o adolescente ser o mais saudável de todos os cidadãos”, refere o Doutor José Poças (infecciologista do Hospital de São Bernardo), acrescentando que o grande desafio é “ter uma sexualidade saudável”.

Estas jornadas são organizadas pelo LACEDI (Liga de Apoio Comunitário para o Estudo de Doenças Infecciosas), uma organização de caráter comunitário, cujo conselho consultivo é presidido pelo médico infecciologista José Poças. A edição deste ano fica ainda marcada pela homenagem ao Doutor Lino Rosado.